Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Trump cancela reunião secreta com presidente do Afeganistão e Talibã

Presidente afirmou que tomou decisão após o grupo extremista realizar um ataque a bomba em Cabul, deixando um soldado americano morto

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, cancelou neste sábado, 7, os planos de realizar uma reunião secreta em Camp David com o presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, e líderes do Talibã após o grupo extremista realizar um ataque a bomba em Cabul. Em sua conta oficial no Twitter, Trump afirma que o líder afegão e os representantes do Talibã estariam a caminho dos EUA na noite deste sábado.

“Sem o conhecimento de quase todos, os principais líderes do Talibã e, separadamente, o presidente do Afeganistão, se reuniriam secretamente comigo em Camp David no domingo”, escreveu Trump. Após o ataque, “cancelei imediatamente a reunião e as negociações de paz. Que tipo de gente mataria tantas pessoas para aparentemente fortalecer sua posição na negociação?”, concluiu.

Na quinta-feira 5, o Talibã assumiu responsabilidade pela explosão de uma bomba no leste da capital afegã. O ataque deixou dez mortos, incluindo um cidadão da Romênia e um soldado americano.

Ghani tinha planos de viajar aos EUA para negociações com Trump, conforme noticiou o Wall Street Journal na sexta-feira 6. Porém, a data da visita do presidente afegão a Washington não estava confirmada.

O governo Trump iniciou há um ano negociações diretas e inéditas com o Talibã, que as forças americanas expulsou do poder durante a intervenção militar iniciada após os atentados realizados pelo grupo jihadista Al-Qaeda em 11 de setembro de 2001.

Washington estava prestes a fechar um acordo para permitir o início da retirada progressiva dos cerca de 13.000 soldados americanos mobilizados no Afeganistão em troca de garantias por parte do Talibã de uma redução da violência e do lançamento de negociações de paz diretas com o governo de Cabul, condição que os rebeldes vinham rejeitando até o momento.

(Com Estadão Conteúdo e AFP)