Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Talibã ordena que apresentadoras de TV afegãs cubram seus rostos no ar

A ordem veio em uma declaração do ministério de Virtudes e Vícios do Taleban, encarregado de fazer cumprir as decisões do grupo, segundo portal Tolo

Por Da Redação Atualizado em 20 Maio 2022, 21h12 - Publicado em 19 Maio 2022, 13h28

Os governantes do Talibã do Afeganistão ordenaram nesta quinta-feira, 19, que todas as apresentadoras de TV cobrissem seus rostos enquanto estiverem no ar, disse o portal de notícias Tolo, maior meio de comunicação do país.

A ordem veio em uma declaração do ministério de Virtudes e Vícios do Talibã, encarregado de fazer cumprir as decisões do grupo, bem como do ministério da Informação e Cultura. O comunicado chamou a ordem de “final e inegociável”.

A declaração foi enviada ao Grupo Moby, dono da Tolo e de várias outras redes de TV e rádio. Segundo um tuíte da Tolo, a medida também estava seria aplicada a outras mídias afegãs.

Depois da ordem, várias âncoras e apresentadoras postaram fotos nas redes sociais com os rostos coberto com máscaras enquanto apresentavam os programas de notícias. Uma proeminente apresentadora do Tolo, Yalda Ali, postou um vídeo de si mesma colocando uma máscara facial com a legenda: “Uma mulher sendo apagada, sob ordens do ministério de Virtudes e Vícios”.

Na emissora Shamshad TV, a implementação da ordem foi desigual. Uma âncora apareceu com uma máscara nesta quinta-feira, enquanto outra no final do dia ficou sem, mostrando o rosto.

Continua após a publicidade

Durante o primeiro período do Talibã no poder, de 1996 a 2001, eles impuseram restrições esmagadoras às mulheres, exigindo que elas usassem a burca abrangente que até cobria os olhos com uma malha e as impedia da vida pública e da educação.

Depois do Talibã retornar ao poder no Afeganistão em agosto do ano passado, de início pareceu ter moderado um pouco suas restrições, deixando de implementar um código de vestimenta para as mulheres. No entanto, nas últimas semanas, o grupo voltou à raiz mais radical.

+ Vitória do Talibã ameaça novo mergulho do Afeganistão no obscurantismo

No início de maio, o Talibã ordenou que todas as mulheres que saíssem em público deveriam usar roupas que as cobrissem da cabeça aos pés, deixando apenas os olhos visíveis. O decreto dizia que as mulheres deveriam sair de casa apenas quando necessário e que seus parentes do sexo masculino enfrentariam punições por violações do código de vestimenta das mulheres.

As punições começam com uma intimação, mas podem escalar para audiências judiciais e até prisões.

O Talibã também emitiu um decreto proibindo meninas de frequentar a escola após a sexta série, revertendo promessas anteriores de autoridades do grupo de que meninas de todas as idades teriam permissão para estudar.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)