Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Suspeitos disseram que ameaça de explodir avião era piada

Segundo o jornal NYT, porta-voz de companhia aérea disse que os dois homens presos por colocar em risco aeronave que decolou do Paquistão com destino a Manchester afirmaram que tudo não passou de uma brincadeira

Um porta-voz da companhia aérea Pakistan International Airlines disse que os dois homens que ameaçaram explodir um avião de passageiros que fazia o voo entre Lahore, no Paquistão, e Manchester, na Grã-Bretanha, disseram estar brincando. A ameaça foi feita pouco antes do pouso, quando os homens disseram a uma comissária que “iam explodir o avião”. A informação foi repassada ao piloto, que consultou o serviço de controle de tráfego aéreo em Manchester e foi orientado a desviar a aeronave para Stansted, afirmou o porta-voz Mashhud Tajwar. “Mais tarde, os dois passageiros disseram que eles estavam brincando. Mas o procedimento de segurança tem que ser seguido”, disse Tajwar, segundo o jornal The New York Times.

Os dois britânicos, de 30 e 41 anos, foram presos pela polícia de Stansted, por “colocar uma aeronave em risco”. A porta-voz do Ministério da Defesa do Paquistão, Nareeta Farhan, disse que as informações preliminares indicavam que os dois passageiros estavam discutindo quando um deles “repetiu duas ou três vezes que ia explodir o avião”.

Leia também:

Leia também: Após ataque, Cameron diz que país ‘não cederá ao terror’

Crime – A polícia britânica afirmou que o incidente está sendo tratado como um crime e não como terrorismo. A aeronave, que tinha cerca de 300 pessoas a bordo, foi escoltada até uma área remota, onde os suspeitos foram detidos. O aeroporto de Stansted fica em uma vasta área rural de Essex que é oficialmente designada como apropriada para lidar com situações de emergência. “É uma investigação criminal sob comando da polícia de Essex. O avião vai permanecer no local e será submetido à perícia. Até este momento não foram encontrados itens suspeitos”, informou o superintendente da polícia, Darrin Tomkins.

Inicialmente, o porta-voz da companhia aérea disse que havia sido informado de que haveria uma ameaça de bomba no avião. Umari Nauman, que estava a bordo do voo PK709, disse a uma rede de TV que os dois homens tinham tentado entrar na cabine do piloto. “Os tripulantes nos disseram que eles tentaram entrar lá algumas vezes e ao serem informados que não podiam, começaram a argumentar com a tripulação e fazer algumas ameaças”.

O incidente aéreo ocorre em um momento em que a Grã-Bretanha ainda está em choque pelo ataque brutal a um soldado em uma rua de Londres. Lee Rigby foi destroçado por dois terroristas que diziam agir em nome do Islã. O soldado era natural da cidade de Manchester.

(Com agência Reuters)