Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Síria: novos bombardeiros atingem regiões de Raqqa e Idlib

Um dos ataques foi realizado pela coalizão liderada pelos Estados Unidos e matou quinze pessoas, segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos

Por Da Redação Atualizado em 8 abr 2017, 15h37 - Publicado em 8 abr 2017, 14h43

Novos bombardeios atingiram a cidade síria que sofreu um ataque químico na terça-feira, 4, quando 87 pessoas morreram e centenas ficaram feridas. Segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, com sede na Inglaterra,  o ataque realizado neste sábado aconteceu no lado oriental da cidade de Khan Sheikhoun e matou uma mulher. Apenas aeronaves russas e sírias sobrevoam a região controlada por rebeldes na província de Idlib.

Além disso, neste sábado pelo menos 15 civis morreram na cidade de Hunaida, perto de Raqqa, após bombardeios feitos por aviões. Entre as vítimas estavam quatro crianças. O ataque partiu de aeronaves pertencentes à coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

Liga Árabe pede contenção da violência

O secretário-geral da Liga Árabe apelou neste sábado por uma contenção da escalada de violência na Síria, um dia após um bombardeio inédito dos Estados Unidos atingir uma base do exército de Bashar Assad em represália por um suposto ataque químico.

Continua após a publicidade

“A Liga rejeita as tentativas das potências regionais e internacionais de politicagem às custas dos cadáveres dos sírios, em detrimento da soberania síria”, indicou aos jornalistas o chefe da instituição pan-árabe com sede no Cairo, Ahmed Abul Gheit, sem citar as potências às quais se referia.

“Pedimos a todas as partes que acalmem esta perigosa escalada que busca maximizar os ganhos políticos, sem (que exista) uma preocupação real pelo sofrimento do povo” sírio, acrescentou.

Os Estados Unidos bombardearam na sexta-feira uma base militar do exército sírio, em resposta ao ataque químico pelo qual responsabilizaram o regime sírio contra a cidade rebelde de Khan Sheikhun (noroeste).

 

(com Agence France-Presse)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)