Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Símbolo dos sobreviventes do 11 de setembro morre de câncer nos EUA

Marcy Borders, a 'Lady Dust', foi fotografada empoeirada após desabamento das torres em 11 de setembro de 2001. Sua morte pode ter relação com a poeira que ela ingeriu

A americana sobrevivente do atentado às Torres Gêmeas Marcy Borders, que ficou mundialmente conhecida por uma fotografia em que estava coberta de poeira pelo desmoronamento dos prédios, morreu aos 42 anos de idade, vítima de um câncer no estômago, reporta a imprensa local nesta Apelidada de “Dust Lady” (senhorita empoeirada), Marcy trabalhava há um mês no Bank of America no dia do maior atentado terrorista contra os Estados Unidos, 11 de setembro de 2001, cometido pela rede terrorista Al Qaeda, de Osama bin Laden. Seu escritório ficava no 81º andar da Torre Norte do World Trade Center, em Nova York.

De acordo com o jornal New York Post, ela morreu na última segunda-feira e o câncer de estômago foi desencadeado pelas toxinas ingeridas por Marcy no desabamento das torres, além de um consumo excessivo de bebidas alcoólicas. Sua foto, coberta de poeira pelas ruas de Manhattan, rodou o mundo como símbolo do ataque em 2001.

Leia também

Prefeito de Nova York cria força-tarefa contra as ‘peladas da Times Square’

Estado Islâmico divulga vídeo ameaçando ‘repetir 11 de setembro’

“A minha mãe venceu uma batalha extraordinária”, disse a filha da sobrevivente, Noelle, à imprensa. “Ela não é somente a ‘Dust Lady’, mas sim, minha heroína que viverá para sempre”. O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, fez uma homenagem à mulher. “A morte de Marcy é um lembrete difícil da tragédia que nossa cidade sofreu há quase 14 anos. Nova York acolhe seus entes queridos em nossos corações”, comentou.

Centenas de pessoas que conseguiram escapar das torres foram diagnosticadas com câncer nos anos posteriores, mas as autoridades sanitárias não conseguiram confirmar uma ligação com o atentado. Em 2011, porém, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, instituiu um pagamento de 2,78 bilhões para financiar os tratamentos de saúde e psicológicos dos milhares de sobreviventes do ataque.

(Com Ansa)