Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Separatistas vão ‘permitir’ observadores no local da queda

Inspetores e equipes de emergência farão trabalho de recuperação dos corpos e investigação. Incerteza sobre a caixa-preta pode comprometer a apuração

Observadores internacionais da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) informaram nesta sexta-feira que os rebeldes separatistas que controlam o leste da Ucrânia vão “permitir” a presença do grupo no local da queda do voo MH-17, abatido nesta quinta quando sobrevoava a região. O desastre matou todas as 298 pessoas a bordo.

Em uma negociação por videoconferência, os rebeldes pró-russos de Donetsk se comprometeram a garantir a segurança dos observadores internacionais e das equipes que realizarão a recuperação dos corpos e as investigações sobre a causa da tragédia. Autoridades de Kiev também participaram das conversas.

Leia mais:

Maioria dos passageiros era de origem holandesa

Telefonemas provam envolvimento russo, diz Ucrânia

O sistema de mísseis por trás da derrubada do voo MH-17

Caixa-preta – A investigação, no entanto, pode estar comprometida antes mesmo do seu início. De acordo com a agência russa Interfax, a primeira a reportar a queda do avião, separatistas do leste ucraniano já teriam encontrado a caixa-preta com os registros das conversas dos pilotos e estariam dispostos a entregá-la para as autoridades de Moscou. Especialistas temem que, em controle das principais informações sobre o desastre, a Rússia possa dificultar a apuração para proteger os separatistas ucranianos – os principais suspeitos de terem abatido a aeronave.

A aeronave da companhia Malaysia Airlines fazia a rota Amsterdã-Kuala Lumpur e caiu em Torez, perto de Shakhtersk, cerca de 50 quilômetros a leste de Donetsk, perto da fronteira entre Donetsk e Lugansk, áreas autodeclaradas independentes pelos separatistas. O governo ucraniano acusa separatistas pró-Moscou de serem terem abatido o avião e também acusa a Rússia de envolvimento no caso. Os russos negam, assim como os separatistas.

Vítimas – A companhia aérea informou que a maioria das pessoas a bordo era holandesa: 154. Havia ainda 43 malaios, incluindo todos os tripulantes e duas crianças, 27 australianos, doze indonésios – também incluindo uma criança -, nove britânicos, quatro alemães, quatro belgas, três filipinos e um canadense.

Local da queda do avião na Ucrânia

(Com agência EFE)