Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Senado investigará CIA por causa de filme sobre Bin Laden

Cenas de tortura em 'A Hora Mais Escura' levaram Comissão de Inteligência a querer saber a quais documentos diretora e roteirista tiveram acesso

Por Da Redação 4 jan 2013, 02h07

A Comissão de Inteligência do Senado dos Estados Unidos abriu uma investigação sobre o suposto uso de tortura pela CIA com base em cenas do filme A Hora Mais Escura (Zero Dark Thirty), que retrata a caçada ao ex-líder da Al Qaeda Osama bin Laden, morto em 2011.

Leia também:

Filme sobre caçada a Bin Laden ganha prêmio nos EUA

Trailer de filme sobre Bin Laden reabre debate político

Com estreia marcada para 18 de janeiro no Brasil, o filme foi escrito a partir de informações autênticas da agência de inteligência americana, conforme seus realizadores, e apresenta a tortura como um importante elemento para a descoberta da identidade de um mensageiro de Bin Laden que se tornou crucial para a descoberta do esconderijo do terrorista – o que o governo dos EUA não reconhece.

Integrantes da comissão pretendem interrogar pessoal da CIA sobre quais informações foram fornecidas aos responsáveis pela produção. Os senadores Dianne Feinstein, Carl Levin e John McCain qualificaram de “inexato e enganoso” o filme e anunciaram em comunicado nesta quinta-feira que irão averiguar se a diretora Kathryn Bigelow e o roteirista Mark Boal tiveram acesso “inadequado” a dados confidenciais.

Continua após a publicidade

“O filme implica claramente que as técnicas de interrogação coercitiva da CIA foram efetivas para extrair informações importantes relacionadas a um ‘mensageiro’ de Osama bin Laden. Revisamos os documentos da CIA e sabemos que isso é incorreto”, assinala o o comunicado da Comissão de Inteligência do Senado.

Infográfico: A missão que matou Osama bin Laden

“Não se pode responsabilizar a CIA pela forma como a agência e suas atividades ficam refletidas no filme. Mesmo assim estamos preocupados, dada a cooperação da CIA com os responsáveis pelo filme e a consistência de sua narrativa com declarações públicas equivocadas feitas no passado por alguns ex-funcionários da agência”, afirmararam os congressistas.

Os senadores da Comissão de Inteligência exigem obter “todas as informações e os documentos proporcionados aos responsáveis pelo filme por funcionários da CIA”. Uma fonte da agência que pediu anonimato disse à rede CNN que o pedido deverá ser atentido.

Dramatização – O diretor interino da CIA, Michael Morell, tratou de distanciar a agência do filme em carta enviada aos senadores há duas semanas. “O que quero que saibam é que A Hora Mais Escura é uma dramatização, não um relato realista dos fatos”, escreveu Morell, antes de ressaltar que a CIA colaborou com os responsáveis pelo filme, mas “não controla o produto final”.

No entanto, Morell admitiu que “parte (das informações) veio de detidos sujeitos a técnicas coercitivas”, como o afogamento simulado (waterboarding), “mas houve muitas outras fontes”. Além disso, ele ressaltou que “nunca poderá saber” se esses métodos, agora proibidos, eram “a única forma apropriada e eficaz” de obter informações sobre Bin Laden na época.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade