Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Seita islâmica Boko Haram ameaça estabilidade da Nigéria

Por Da Redação 25 dez 2011, 15h59

Lagos, 25 dez (EFE).- Responsável pela onda de atentados que foi registrada neste Natal na Nigéria, a seita islâmica Boko Haram ameaça a estabilidade do país mais povoado da África, marcado pelas diferenças religiosas entre o norte muçulmano e o sul cristão.

Principal produtora de petróleo da região subsaariana, a Nigéria se encontra ameaçada pelo aumento das atividades terroristas de grupos islâmicos após a eleição presidencial em abril, a qual terminou com a vitória de Goodluck Jonathan, procedente das regiões cristãs do sul.

A vitória de Jonathan, que obteve 58,8% dos sufrágios, acentuou a divisão entre os estados ricos em petróleo do sul, de maioria cristã, e as regiões muçulmanas do norte, cujos líderes se recusaram a aceitar os resultados do pleito.

Desde então, a violência nas províncias próximas ao Saara não para de aumentar, com sucessivos atentados terroristas, sendo que a grande maioria é de autoria da seita islâmica Boko Haram, a qual acredita que a Nigéria deveria ser regida pela lei islâmica ‘sharia’.

A Boko Haram, cujo nome significa ‘A educação não islâmica é pecado’, matou a mais de 700 pessoas, segundo diversas fontes.

Continua após a publicidade

A onda de atentados deste domingo supera o ataque mais sangrento realizado até o momento pelo grupo terrorista, realizado em agosto contra a sede da ONU em Abuja, o qual resultou na morte de 24 pessoas.

Com o aumento dos atentados, o Governo de Jonathan busca um diálogo de paz com o grupo insurgente desde o mês julho. Na última semana, o Exército nigeriano empreendeu uma ofensiva contra a seita radical em Damaturu (nordeste do país), cidade na qual morreram pelo menos 61 pessoas nos confrontos entre a Boko Haram e as tropas nigerianas.

As ações violentas dos islamitas motivaram o deslocamento de dezenas de cidadãos, os quais buscam fugir da violência. O mais recente foi registrado no último sábado, na cidade de Jos .

O jornal nigeriano ‘Tribune’ publicou que inúmeras pessoas deixaram a região com medo dos atentados realizados em pleno dia de Natal. Neste domingo, as autoridades confirmaram a morte de um agente em uma explosão em Jos, que tinha como alvo outro templo cristão.

Segundo a agência de notícias ‘NAN’, pelo menos 29 pessoas morreram neste domingo de Natal em cinco atentados contra igrejas católicas, todos organizados pela seita islamita Boko Haram. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade