Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Segunda vítima fatal de atentado em Boston é identificada

Krystle Campbell tinha 29 anos. Outra vítima foi Martin Richard, de apenas oito

Por Da Redação - 16 abr 2013, 17h14

A segunda vítima fatal do atentado terrorista durante a Maratona de Boston, na segunda-feira, foi identificada como Krystle Campbell, de 29 anos, de Massachusetts. Familiares da jovem confirmaram a morte da jovem a veículos de imprensa americanos. “Minha filha era a garota mais adorável. Ela ajudava a todos”, disse o pai, William Campbell. “Estamos devastados.”

O pai de Krystle contou que ela trabalhava em um restaurante e tinha ido com uma amiga acompanhar a maratona – o namorado da amiga participava da prova, segundo a agência Associated Press. Lillian Campbell, avó da vítima, disse que ela assistia à maratona todos os anos.

O jornal The Washington Post informou que a família demorou a saber da morte de Krystle, por causa d eum erro de identificação. Ela teria pedido para a amiga guardar seu documento durante a corrida e, por isso, os familiares acreditaram que Krystle tinha apenas sofrido ferimentos na perna – o que aconteceu com a amiga, que se recupera no hospital.

Leia também:

Publicidade

Leia também: Ataque em Boston relembra dificuldade de deter terroristas

menino Martin Richard, de oito anos

Saiba mais:

Saiba mais: Boston tenta, aos poucos, voltar à normalidade nesta terça

Publicidade

Terror – Depois de evitar usar o termo terrorismo no primeiro pronunciamento após o atentado, ainda na segunda-feira, nesta terça o presidente Barack Obama pela primeira vez classificou o ataque como um “ato de terror”. Ele disse que o FBI, a polícia federal americana, está investigando o caso, mas que os responsáveis ainda não foram identificados.

Leia também:

Publicidade

Leia também: FBI diz que irá ‘até o fim do mundo’ para achar culpados

Segundo uma fonte ouvida pela rede CNN, pelo menos uma das bombas usadas no atentado foi colocada em uma panela de pressão, escondida dentro de uma mochila. Outra fonte afirmou que uma das bombas foi ativada com o uso de um timer, e não de um telefone celular, como suspeitou-se inicialmente. Um explosivo fabricado em uma panela de pressão também foi usado na tentativa fracassada de provocar uma explosão na Times Square, em Nova York, em 2010.

Publicidade

Saiba mais:

Saiba mais: ‘Incidentes de segurança’ são reportados em aeroportos

mapa do local das explosões na maratona de Boston
mapa do local das explosões na maratona de Boston VEJA
Publicidade