Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Secretário de Defesa americano visita o Paquistão

Chuck Hagel e o presidente Nawaz Sharif conversarão sobre segurança

Por Da Redação 9 dez 2013, 07h36

O secretário de Defesa americano, Chuck Hagel, aterrissou nesta segunda-feira no Paquistão para reunir-se com autoridades civis e militares do país. Hagel aterrissou no meio da manhã em Islamabad, onde deve se reunir com o chefe do Executivo, Nawaz Sharif, e depois com o recém empossado chefe do Exército, o general Rahil Sharif. É a primeira visita de um secretário de Defesa americano a Islamabad em quatro anos.

De acordo com a imprensa local, Hagel conversará com as autoridades paquistanesas sobre a situação no Afeganistão, país que ele visitou nos dois últimos dias e no qual tentou agilizar a assinatura do pacto que regula a presença de tropas americanas após 2014. Hamid Karzai, presidente do Afeganistão, adiou a assinatura do tratado bilateral para depois da eleição presidencial afegã de 5 de abril. Os EUA também estão descontentes com a falta de empenho do Paquistão para combater a rede terrorista Haqqani, que opera ao longo da fronteira com o Afeganistão e realiza ataques contra tropas americanas e da coalizão.

Leia também

Otan pede que Karzai assine acordo com os EUA

Outro assunto que figura na agenda do emissário da Casa Branca é a segurança das rotas terrestres de abastecimento que cruzam território paquistanês rumo ao Afeganistão e que estão fechadas devido aos protestos impulsionados pela oposição no Paquistão. O principal alvo dos protestos é o programa de drones (aviões não tripulados) dos EUA, que já matou muitos terroristas, mas também causou vítimas civis. Setores da oposição paquistanesa consideram os ataques de drones uma violação da soberania do país, mas Islamabad e os militares paquistaneses têm apoiado o programa americano.

A visita de Hagel faz parte de uma agenda mais ampla de reuniões no Oriente Médio e Ásia. Ele ainda visitará monarquias árabes do Golfo Pérsico, inquietas após o acordo nuclear entre a comunidade internacional e o Irã.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade