Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Secretária do Tesouro dos EUA critica ações econômicas ‘injustas’ da China

Em viagem a Pequim, Janet Yellen diz que Washington quer competição saudável, não um cenário em que 'o vencedor leva tudo'

Por Da Redação
7 jul 2023, 08h50

Em uma visita a Pequim, a secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, disse nesta sexta-feira, 7, que a China deveria fazer reformas de mercado e criticou a segunda maior economia do mundo por práticas “punitivas” contra empresas americanas por suas novas restrições à exportação de minerais críticos.

Yellen chegou à capital chinesa na quinta-feira 6, para tentar remendar as relações turbulentas sino-americanas, mas deixou claro que Washington e seus aliados ocidentais continuarão a revidar o que ela caracterizou como “práticas econômicas injustas” da China.

Na agenda do dia, a secretária do Tesouro conversou com membros da Câmara Americana de Comércio na China (AmCham), depois de uma bilateral com o ex-czar da economia chinesa Liu He, aliado próximo do presidente do país, Xi Jinping, e o chefe do banco central chinês, Yi Gang.

Ao primeiro-ministro chinês, Li Qiang, Yellen disse nesta sexta-feira que os Estados Unidos desejam estabelecer uma competição saudável com a China, com base em regras justas que beneficiem ambos os países. Segundo ela, não há interesse em uma abordagem de “vencedor leva tudo”.

A autoridade americana acrescentou que os dois rivais deveriam ter uma comunicação mais regular, e argumentou que quaisquer ações de Washington para proteger sua segurança nacional não devem comprometer “desnecessariamente” o relacionamento com a China.

Continua após a publicidade

Yellen garantiu que levantaria preocupações com Pequim sobre o uso de subsídios para empresas estatais e domésticas, barreiras de acesso ao mercado para empresas estrangeiras e suas recentes “ações punitivas” contra empresas americanas. As novas restrições de exportação de gálio e germânio, minerais críticos usados em tecnologias como chips de computador, também estão na ordem do dia.

A secretária do Tesouro, além disso, instou Pequim a retornar a práticas mais voltadas para o mercado, que sustentaram seu rápido crescimento nos últimos anos.

“Uma mudança em direção a reformas de mercado seria do interesse da China”, disse ela no evento da AmCham.

A viagem de Yellen ocorre logo após uma visita do principal diplomata da Casa Branca, Antony Blinken, a Pequim. Autoridades americanas ampliaram esforços para reparar os laços conturbados com a China depois que os militares dos Estados Unidos derrubaram um balão do governo chinês que invadiu o espaço aéreo do país. Andando em uma corda bamba, ao mesmo tempo continuam pressionando Pequim a interromper práticas que consideram prejudiciais às empresas americanas e ocidentais.

Continua após a publicidade

Do outro lado, a China espera que os Estados Unidos tomem “ações concretas” para criar um ambiente favorável para o desenvolvimento saudável dos laços econômicos e comerciais, disse seu ministério das Finanças em comunicado nesta sexta-feira.

As empresas americanas que atuam na China esperam que a visita de Yellen garanta que as vias comerciais entre as duas economias permaneçam abertas, independentemente das tensões geopolíticas. O presidente da AmCham, Michael Hart, comemorou o “poder de fogo extra” de Yellen.

O impulso diplomático dos Estados Unidos ocorre antes de um possível encontro entre o presidente americano, Joe Biden, e Xi. As conversas podem ocorrer na Cúpula do G20, em setembro, na Índia, ou na reunião de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico, agendada para novembro, em São Francisco, na Califórnia.

Depois de Yellen e Blinken, o enviado climático de Biden, John Kerry, deve visitar Pequim ainda neste mês.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.