Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Sobrevivente de acidente aéreo em Cuba sofre complicações de saúde

Mailén Díaz Almaguer, de 19 anos, é a única viva dentre os 114 passageiros do voo DMJ-972; acidente continua sob investigação

Por Da Redação - Atualizado em 5 jul 2018, 18h02 - Publicado em 5 jul 2018, 17h13

O quadro de saúde da cubana Mailén Díaz Almaguer, única sobrevivente do acidente aéreo que deixou 113 mortos no último dia 18 de maio em Havana, piorou devido a complicações respiratórias, segundo relatório médico de quarta-feira (4).

Almaguer sobreviveu ao acidente do voo DMJ-972, da companhia área Cubana de Aviación. Outras duas mulheres foram encontradas com vida, mas morreram no hospital dias depois. O Boeing 737-200, alugado da empresa mexicana  Global Air, fazia a rota local entre Havana e a cidade de Holguín. Sua queda ocorreu logo depois da decolagem e continua sob investigação oficial.

Nas últimas 72 horas, a paciente de 19 anos foi conectada novamente ao respirador mecânico por causa de alterações nos pulmões. Lesões sofridas no acidente afetaram funcionamento dos seus sistemas vitais, segundo o boletim médico divulgado por meios de comunicação oficiais.

Esta situação conduziu a uma variação no seu estado evolutivo, segundo explicou o médico Carlos Alberto Martínez Blanco, diretor do hospital Calixto García da capital cubana, onde a jovem está internada há 45 dias.

Publicidade

Mesmo com as complicações, o médico afirmou que a jovem respondeu favoravelmente à intervenção cirúrgica na perna esquerda, para controlar um processo infeccioso que constituía a ameaça fundamental para sua evolução.

Além disso, destacou que ela ganhou em estabilidade e funcionamento do seu organismo, o que permitiu continuar com a redução da dose de remédios que são mantidos como apoio à função cardiovascular.

(Com EFE)

 

Publicidade