Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Santos toma posse e diz que Colômbia vai avançar ‘com ou sem as Farc’

Discurso do presidente ao iniciar segundo mandato teve como foco processo de paz com a narcoguerrilha, ponto nevrálgico de seu governo

Ao tomar posse nesta quinta-feira de seu segundo mandato como presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos fez um discurso reconhecendo que os recentes ataques das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) ameaçam o diálogo de paz com o governo. Manter as negociações com a narcoguerrilha, iniciadas em 2012, será o maior desafio dos próximos quatro anos para Santos, que ainda não conseguiu apresentar resultados concretos para os colombianos, que desconfiam do plano de paz. “Serão os colombianos que vão referendar o acordo final que seja alcançado. E quero fazer uma advertência: os atos de violência das últimas semanas são uma contradição inaceitável e põem em risco o processo”, disse o presidente, segundo declarações divulgadas pela imprensa colombiana.

Santos ressaltou que os esforços de seu governo estarão voltados para garantir a segurança do território e a proteção das comunidades. “Senhores das Farc, vocês estão avisados. A guerra continua enquanto não se chega a um acordo, disso nós sabemos. Mas deixem as crianças, as mulheres e os civis fora de suas ações violentas”, disse. No início deste mês, um ataque das Farc provocou a morte de uma menina de 2 anos em uma aldeia na cidade de Miranda, no sudoeste do país. A guerrilha também atacou a instalações elétricas e petrolíferas.

“Vou ser claro: a Colômbia continuará avançando em uma agenda de justiça social e de construção da paz; seguirá avançando no desenvolvimento rural, no fortalecimento da democracia, na luta contra o narcotráfico, na reparação das vítimas…com ou sem as Farc”, acrescentou o presidente.

Leia também:

Fotos mostram vida mansa de terroristas das Farc em Cuba

Equipe de negociação de paz com as Farc foi espionada por militares

Ao conquistar ‘voto pela paz’, desafio de Santos será cumprir promessa

O mandatário afirmou que o diálogo entrou na fase final, “a etapa mais difícil e mais exigente”. Dos cinco pontos em negociação pelo prazo de um ano, houve acordo para apenas três: reforma agrária, abandono do narcotráfico e participação política de guerrilheiros – e o terceiro, defendido por Santos, é rejeitado por mais de 70% da população. Ou seja, os negociadores nem sequer chegaram aos itens mais complicados, que são o desarmamento do grupo e a punição aos guerrilheiros que cometeram crimes de sangue. Por isso, muitos cidadãos sentem que Santos está sendo manipulado pelas Farc, que nem precisaram renunciar à violência sentar à mesa de negociação.

Política – A Corte Constitucional do país deu ontem um passo decisivo para a negociação ao aprovar a entrada na política dos membros das Farc que deixarem as armas. Esta era uma das decisões mais esperadas pelo governo. Por seis votos a três, o tribunal decidiu que poderão entrar para a política os que tenham cometido delitos “menores”. O Congresso ainda vai definir quais são esses delitos.