Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Saiba quais são os países mais infelizes do mundo

Uma pesquisa apontou, por meio de um questionário sobre os sentimentos dos cidadãos, os países onde as pessoas são mais insatisfeitas com suas vidas

A empresa de pesquisas de opinião Gallup elaborou um ranking em que mede o nível de felicidade e satisfação dos países por meio de suas emoções e sentimentos. O estudo é diferente de outros divulgados anteriormente, que costumam se basear em índices econômicos, de desenvolvimento humano ou opiniões políticas.

Para chegar aos países onde as pessoas são mais insatisfeitas e vivenciam experiências ruins diariamente, a empresa entrevistou adultos de 148 países do mundo e fez perguntas sobre seu dia anterior, questionando se haviam sentido alguma dor física, preocupações, tristeza, estresse e raiva. A média mundial, segundo a pesquisa, foi de 25 pontos, em um ranking em que quanto maior a pontuação, mais infeliz e insatisfeita é a população do país.

Leia também:

Saiba quais são os países mais felizes do mundo

As cidades mais (e as menos) simpáticas do mundo

Saiba quais são as melhores cidades para se viver em 2015

As 10 melhores cidades do mundo para andar de bicicleta

Irã e Iraque lideram a lista de países infelizes pelo segundo ano consecutivo. Esse resultado pode não ser tão surpreendente devido à instabilidade política e econômica vivenciada pela população dessas nações atualmente. A relação entre a satisfação pessoal dos entrevistados e o padrão de vida social e condições de saúde em seus países é evidente, e de fato, as nações que tiveram os piores resultados na pesquisa passam por períodos de disfunção econômica ou política.

Uzbequistão, China, Mongólia, Mianmar e Rússia ficaram com os últimos lugares no índice de insatisfação e tristeza. Contudo, esses países não tiveram necessariamente resultados bons na outra fase da pesquisa, que avaliou os entrevistados pelos sentimentos positivos vivenciados no dia anterior. Segundo a Gallup, muitas desses países são nações derivadas da antiga União Soviética, onde os entrevistados apresentaram os mais baixos índices de emoções negativas e positivas.

(Da redação)