Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Rússia ameaça retirar apoio ao Irã na questão nuclear

Governo russo vai retirar apoio ao Irã caso o país mantenha o processo judicial

O governo russo está decidido a retirar o apoio diplomático ao Irã se o governo do ditador Mahmoud Ahmadinejad não renunciar a um processo judicial que move contra Moscou. O país islâmico entrou com a ação após o governo russo negar o fornecimento de mísseis antiaéreos S-300, medida alinhada com as sanções internacionais impostas pela ONU. “Apoiamos, mantemos uma postura construtiva nas negociações nucleares e veja como nos pagam”, argumentou uma fonte governamental russa citada nesta sexta-feira pelo jornal Kommersant.

A Rússia, que assinou vários contratos milionários de venda de armas a Teerã nos últimos anos, considera que o comportamento do país dos aiatolás não é correto, e adverte que a disputa judicial pode passar ao plano político. “Já informamos ao Irã que a reclamação não contribui para o desenvolvimento de nossas relações, mas nossos pedidos para que retirem os documentos dos tribunais não foram ouvidos”, disse um porta-voz da presidência russa.

Leia também:

Leia também: Irã anuncia aumento de capacidade para enriquecer urânio

Em uma última tentativa de convencer o governo iraniano, o Kremlin enviará em breve a Teerã uma nova delegação governamental antes que sejam retomadas as negociações entre o Irã e as grandes potências. “Se recebermos uma nova recusa, o Irã ficará sozinho nas negociações nucleares com a comunidade internacional”, afirmou o porta-voz. Entretanto, a fonte do governo acredita que a Rússia não precisará recorrer à “artilharia diplomática pesada” para solucionar o problema. “Por enquanto, as negociações com o Irã não estão sendo fáceis, mas esperamos conseguir um acordo sem chegar aos tribunais”, indicou.

Leia também:

Leia também: Chefe do Pentágono descarta ataque imediato ao Irã

Resolução – A Rússia se manifestou no ano passado, surpreendida pela decisão iraniana de apelar aos tribunais em vez de optar por um compromisso. Moscou alega que o então presidente russo, Dmitri Medvedev, ordenou suspender em 2010 a provisão de armamento pesado – mísseis, tanques, aviões, carros blindados e navios de guerra -, em cumprimento da resolução 1.929 do Conselho de Segurança da ONU. Por outro lado, Teerã argumenta que os mísseis S-300 não estão envolvidos na resolução e, apesar de recuperar o desembolso inicial da parte russa, insiste em reivindicar o pagamento de compensações por supostos prejuízos. O Irã suspeita que o Kremlin tenha congelado a operação por motivos políticos em meio ao reinício das relações diplomáticas com os Estados Unidos.

(Com agência EFE)