Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Resistência cubana pede à Cúpula das Américas que continue excluindo Cuba

Cartagena (Colômbia), 12 abr (EFE).- O exílio cubano e as Damas de Branco pediram nesta quinta-feira aos governantes participantes da 6ª Cúpula das Américas que desistam de convidar Cuba às próximas edições se prevalecer o ‘regime totalitário e repressivo’ de Raúl Castro.

‘Estamos aqui porque os Governos eleitos da América Latina querem incluir Cuba, sua ditadura, na Cúpula das Américas’, afirmou em Cartagena de Indias a dissidente cubana Silvia Iriondo, quem acrescentou que ‘incluir o regime de Havana seria excluir os direitos fundamentais dos cubanos da ilha’.

Iriondo é a presidente da organização Madres y Mujeres Anti-Repressión (MAR por Cuba), com sede em Miami, da qual 11 das 330 integrantes viajaram para Cartagena de Indias. Nesta quinta-feira, elas trabalham na divulgação de vídeos com depoimentos das Damas de Branco e da dissidência interna.

Ela atua como porta-voz da dissidência cubana às vésperas da 6ª Cúpula das Américas, que ocorrerá sábado e domingo em Cartagena e está precedida de diferentes reuniões setoriais.

A maior parte dos Governos da América Latina manifestou que esta deve ser a última do continente sem a presença de Cuba, incluído o anfitrião, o presidente Juan Manuel Santos.

‘Queremos ressaltar aos chefes de Estado e funcionários da Cúpula das Américas que ao mesmo tempo em que os Governos estão divulgando uma gigantesca campanha para que Cuba seja convidada à cúpula, devem se lembrar que a repressão contra os que lutam pela democracia na ilha persiste’, insistiu.

Iriondo acrescentou: ‘reiteramos aos líderes que não permitam que o regime se insira a cúpula, porque em Cuba não há democracia, porque a autoridade cubana não só não respeita os direitos humanos, mas a única liberdade que entendem é a de humilhar o povo cubano’.

Porque para a dissidência ‘Cuba só poderia ser incluída, quando Cuba for livre e democrática’.

A ativista, quem saiu de Cuba nos anos 70 e mudou-se para Miami, concedeu entrevista em um hotel de Cartagena rodeada de suas correligionárias, todas vestidas de preto como símbolo do luto pela repressão em Cuba.

Na sala onde ocorreu a coletiva, sobre várias cadeiras vazias jaziam fotografias das Damas de Branco, uma representação delas, já que não têm autorização da deixar o país.

No sábado e domingo, 33 chefes de Estado e de Governo, todos os do continente, exceto o cubano Raúl Castro e o equatoriano Rafael Correa, quem desistiu de comparecer em protesto pela ausência de Cuba, se reunirão em Cartagena de Indias. EFE