Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Repressão na Nicarágua causou 317 mortes desde abril

Comissão de Direitos Humanos protestou contra assassinatos; OEA prepara condenação ao governo de Daniel Ortega e criação de comissão para promover o diálogo

Por Da Redação
Atualizado em 2 ago 2018, 19h57 - Publicado em 2 ago 2018, 18h33

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) contabilizou 317 mortos na Nicarágua, incluindo 23 crianças e 21 policiais, durante os protestos contra o governo de Daniel Ortega entre 18 de abril e 30 de julho.

A CIDH informou que, depois de cinco semanas de trabalho no país, o Mecanismo Especial de Seguimento para a Nicarágua (Meseni) verificou a perseguição e a criminalização por parte do Estado contra manifestantes, opositores e pessoas que participaram dos protestos de maneiras diversas.

“A Comissão Interamericana condena todos os assassinatos registrados e insta o Estado da Nicarágua a investigar com prontidão e seriedade cada um desses crimes”, disse a relatora da CIDH no país, a chilena Antonia Urrejola. “O Estado deve manter um registro atualizado, confiável e transparente de todas as mortes.”

O Meseni disse que muitas detenções arbitrárias e violentas foram realizadas por homens mascarados depois que a população levantou barricadas para se proteger. As prisões aumentaram rapidamente a partir de 19 de junho.

Segundo a comissão, as pessoas detidas não foram informadas de seus direitos no momento da prisão e nem quais eram as acusações. Além disso, não houve ordens judiciais, e as famílias dos detidos não foram informadas sobre o destino deles.

Continua após a publicidade

OEA

A CIDH emitiu o comunicado horas antes de a Organização dos Estados Americanos (OEA) realizar uma sessão especial, em Washington, para condenar a repressão do governo de Daniel Ortega e avaliar a criação de uma comissão especial para a Nicarágua até o próximo dia 10, a fim de promover o diálogo nacional.

A comissão seria composta por um representante de cada um dos grupos regionais que operam na OEA: a Associação Latino-Americana de Integração (Aladi), o Sistema de Integração Centro-americana (Sica) e a Comunidade do Caribe (Caricom).

A presidente interina do Conselho Permanente da OEA, a costa-riquenha Rita Hernández, anunciou que há negociações em curso.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.