Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Relatório denuncia superlotação em centros para imigrantes ilegais nos EUA

Documento revela falta de comida quente e condições de higiene; menores são mantidos separados dos pais por mais de 72 horas

Por Da Redação
Atualizado em 3 jul 2019, 15h41 - Publicado em 3 jul 2019, 14h35

O Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos (DHS) alertou nesta terça-feira 2 para os riscos causados pela superlotação e a insegurança nos centros de detenção de imigrantes ilegais no Texas, onde os congressistas democratas têm denunciado “terríveis” condições de vida.

“Estamos preocupados com a superlotação e a permanência prolongada, que representam um risco imediato para a saúde e a segurança dos agentes e oficiais do DHS, assim como para os detidos”, destaca um relatório da inspetoria geral do departamento.

Em junho, dois membros do DHS visitaram cinco centros de detenção na fronteira com o México, por onde um grande número de emigrantes tentou entrar ilegalmente nos Estados Unidos nos últimos meses.

Continua após a publicidade

Em maio, 144.000 pessoas foram detidas por agentes de fronteira (CBP), mas não há espaço suficiente nestas estruturas ou nos centros de recepção para onde normalmente se transfere menores e famílias.

Segundo o relatório, crianças com menos de sete anos não acompanhadas permanecem por mais de duas semanas esperando sua transferência, quando deveriam ser entregues a parentes ou agências governamentais especializadas no prazo de 72 horas.

Entre as condições que violam os padrões do DHS os inspetores assinalaram a falta de lavanderias, chuveiros, comidas quentes e a possibilidade de mudança de roupa.

Continua após a publicidade

Algumas fotos no relatório revelam celas abarrotadas e habitações divididas por telas de arame. Um funcionário descreve a situação como uma “bomba relógio”, citando vários incidentes ocorridos entre os detidos.

A publicação do relatório ocorre após congressistas democratas visitarem alguns centros de detenção da polícia de fronteira nas cidades de El Paso e Clint, diante do território mexicano.

Continua após a publicidade

O líder da delegação, o deputado pelo Texas Joaquín Castro, relatou à imprensa ter visto celas femininas “sem água corrente” e onde as detidas tinham que beber “água das privadas”.

A congressista por Nova York Alexandria Ocasio-Cortez, que também integrou a delegação, declarou que os imigrantes estão sendo submetidos a uma “crueldade sistêmica”.

Nesta semana, o site de notícias independente ProPublica também revelou a existência de um grupo no Facebook administrado por agentes e ex-agentes da Patrulha de Fronteira. Nele, há comentários jocosos e insultos aos imigrantes, assim como aos congressistas contrários ao programa anti-imigração do presidente Donald Trump.

Continua após a publicidade

Fluxo migratório

Segundo autoridades mexicanas e americanas, o fluxo recorde de famílias centro-americanas na fronteira dos Estados Unidos com o México começou a diminuir devido ao aumento dos esforços de repressão do governo de Andrés Manuel López Obrador.

Citando dados não publicados dos Estados Unidos, o governo do México afirmou que as prisões de imigrantes na divisa diminuíram 30% em junho em comparação ao mês anterior, depois que iniciou uma política de repressão à imigração, parte de um acordo com Washington para evitar possíveis tarifas comerciais.

O governo mexicano disse que está enviando dezenas de imigrantes centro-americanos — que foram forçados a esperar o processamento de seus pedidos de asilo em seu território, conforme a diretriz americana — de volta para casa em ônibus, partindo da cidade fronteiriça de Juárez.

Continua após a publicidade

“O esforço do México para controlar o fluxo de imigrantes parece ter interrompido uma tendência crescente”, disse o Ministério das Relações Exteriores do país em um comunicado.

Depois que as prisões de imigrantes atingiram uma alta mensal de 13 anos em maio, a imigração se tornou claramente o principal tema de Trump e dos pré-candidatos democratas de olho na eleição presidencial de 2020.

O senador Cory Booker irá “virtualmente eliminar as detenções de imigrantes” se chegar à Casa Branca, disse sua campanha na terça-feira.

Na semana passada, o presidenciável Julian Castro propôs descriminalizar as travessias na fronteira como maneira de liberar recursos federais e eliminar os milhares de casos que atravancam os tribunais criminais. A iniciativa foi defendida pela colega pré-candidata Elizabeth Warren.

Trump, por sua vez, procurou angariar apoio para suas políticas, prometendo operações anti-imigrantes depois do feriado de 4 de Julho para prender imigrantes sujeitos a ordens de deportação.

O presidente, contudo, sofreu um revés na terça-feira, quando um juiz federal de Seattle bloqueou uma manobra do governo para manter milhares de postulantes a asilo sob custódia enquanto pleiteiam seus casos.

(Com AFP e Reuters)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.