Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Regime sírio espalha arsenal químico pelo país, diz jornal

Segundo reportagem do Wall Street Journal, unidade militar secreta escondeu armas em cerca de 50 locais; EUA e Rússia acertam data de conferência de paz

Por Da Redação 13 set 2013, 11h56

Uma unidade secreta do Exército sírio tem movimentado o arsenal químico do regime do ditador Bashar Assad para dificultar os esforços dos Estados Unidos em rastrear as armas, informa reportagem do jornal americano The Wall Street Journal publicada nesta sexta-feira.

Segundo o texto, que cita fontes do governo americano, há alguns meses o arsenal estava distribuído em vinte locais no país. Mas, nas últimas semanas, o número de esconderijos foi ampliado para cinquenta.

Os militares do grupo responsável por movimentar o material fazem parte da chamada Unidade 450 do Exército sírio. De acordo com as fontes citadas pelo jornal, o trabalho do grupo levanta dúvidas sobre a veracidade de que Assad aceitou desistir do controle do seu arsenal, conforme foi divulgado pelo governo sírio nesta semana.

O anúncio do regime sírio ocorreu após a Rússia propor um plano para submeter o arsenal a uma comissão internacional, e assim evitar um eventual ataque punitivo por parte dos EUA, que acusam o ditador de ter usado armas químicas contra população do país no dia 21 de agosto. A ação, segundo o governo americano, deixou mais de 1.400 mortos.

Segundo as fontes citadas pelo jornal, os serviços de inteligência dos EUA e de Israel ainda acreditam saber onde a maior parte do arsenal está escondida, mas com “menos confiança do que há seis meses”.

Leia também:

Putin aos americanos: ataque à Síria despertará o terror

Acordo entre EUA e Rússia pode ser saída para crise síria

Emprego de armas químicas rompe marco civilizatório

Continua após a publicidade

Oficiais de inteligência dos EUA disseram ao jornal que estimam que o regime sírio possuiu cerca de 1000 toneladas de armas químicas e biológicas. “Essas são as que conhecemos. Mas podem existir mais”, disse um oficial de inteligência.

Infográficos

Cronologia: o emprego de armas químicas e os esforços para bani-las

Conheça os principais ataques com armas químicas empreendidos ao longo da história e as tentativas de bani-las do front

Ainda segundo o jornal, os serviços de inteligência americanos observaram a movimentação do arsenal por meio de imagens de satélite. A situação é considerada um problema tão sério pelos EUA que as informações não estão sendo compartilhadas nem com os grupos oposicionistas sírios moderados, por medo que eles se apoderem do material.

Entre as opções consideradas pelos serviços de inteligência para neutralizar o arsenal, diz o jornal, está o suborno de membros da Unidade 450. “Em um mundo perfeito, você tentaria cooptar essa unidade”, disse um membro do Exército americano. Mas a opção é avaliada como arriscada, já que seria difícil algum membro da unidade ser cooptado sem ser descoberto e depois assassinado.

Reunião – Ao mesmo tempo em que as dúvidas sobre o arsenal de Bashar Assad persistem, os chefes da diplomacia dos Estados Unidos e da Rússia se reuniram nesta sexta-feira em Genebra com o mediador internacional para a Síria, Lakhdar Brahimi, que representa a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Liga Árabe. Os representantes acertaram a data de um novo encontro, previsto para ser realizado no próximo dia 28 de setembro, para fixar a data de realização da conferência de paz para Síria.

O secretário de Estado americano, John Kerry, e o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, negociam nesta sexta-feira pelo segundo dia em Genebra a melhor maneira de pôr o arsenal de armas químicas da Síria sob controle internacional.

O secretário de Estado adiantou que as perspectivas da conferência de paz dependerão de uma conclusão satisfatória do encontro desta sexta-feira.

Continua após a publicidade
Publicidade