Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Raúl Castro se reúne com cúpula chavista em Cuba

Altos dirigentes da Venezuela foram a Havana visitar Hugo Chávez

Por Da Redação 13 jan 2013, 14h32

O ditador cubano Raúl Castro se reuniu em Havana com a cúpula do chavista – o vice-presidente Nicolás Maduro, o presidente da Assembleia Nacional Diosdado Cabello, o ministro de Energia e Petróleo Rafael Ramírez e a procuradora-geral Cilia Flores -, informou neste domingo o jornal El Universal. As autoridades venezuelanas viajaram a Cuba para visitar Hugo Chávez, que convalesce de um câncer em Havana após a sua quarta cirurgia.

A conversa aconteceu em uma sala no aeroporto de José Martí, onde Castro havia se despedido na tarde de sábado dos presidentes Cristina Kirchner, da Argentina, e Ollanta Humala, do Peru. Maduro, indicado pelo próprio Chávez como seu herdeiro político, chegou a Cuba na tarde de sexta-feira e conversou em privado com Castro e Cristina.

Leia também:

Leia também: OEA respeita decisão da Venezuela sobre Chávez

Chávez foi operado em 11 de dezembro em Cuba. Segundo as informações oficiais, a cirurgia foi “complexa” e ocorreram “complicações”. O coronel enfrenta uma insuficiência respiratória em consequência de uma severa infecção pulmonar. De acordo com os últimos informes do governo, o quadro pós-operatório é ‘estável’.

Consciência – Em entrevista à rádio venezuelana Unión na sexta-feora, o ministro de Informação e Comunicação, Ernesto Villegas, afirmou que Chávez “está consciente” de sua situação e em contato com sua equipe. “O presidente está consciente da situação em que está. Se mantém em contato com sua equipe de governo, com seus familiares que estão em Havana, Cuba. O presidente é o presidente, não há nenhum outro. Estou certo de que vão se decepcionar o que fazem uma aposta maléfica em um desenlace fatal”.

Questionado se Chávez não estaria em condições físicas de ter enviado uma carta assinada de próprio punho informando sobre sua impossibilidade de tomar posse – a carta lida na Assembleia Nacional era assinada pelo vice -, Villegas apelou para a privacidade do paciente. “O presidente é um ser humano. Eu não posso dar detalhes porque o paciente Hugo Chávez tem os mesmos direitos que qualquer outro paciente a que sua privacidade seja preservada”.

Continua após a publicidade

Publicidade