Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Quatro agentes da Cruz Vermelha são libertados na Síria

Sete funcionários foram sequestrados no domingo; organização pede segurança para seguir no país

Quatro dos sete agentes humanitários sequestrados na Síria foram libertados nesta segunda-feira, informou o porta-voz da Cruz Vermelha no Oriente Médio, Robert Mardini, pelo Twitter. Três dos reféns soltos pertencem à Cruz Vermelha e um ao Crescente Vermelho. O grupo foi levado por homens armados no domingo em Idlib, Noroeste do país. A organização informa que está à espera de informações a respeito do paradeiro dos outros três agentes.

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) reiterou nesta segunda-feira o desejo de prosseguir com a missão na Síria, mas em condições que garantam a segurança de seus funcionários. “Estamos plenamente comprometidos em apoiar o povo sírio neste momento extremamente difícil. Não temos a menor intenção de paralisar nossas atividades na Síria, mas é claro que essa situação nos leva a refletir e olhar de perto para as nossas operações porque no fim nós não vamos poder trabalhar e ajudar a população síria sem garantias de segurança para nossos funcionários”, declarou Ewan Watson, porta-voz do CICV, em Genebra.

Leia também:

Rebeldes sírios executaram 190 civis durante ofensiva

Opaq pede trégua na Síria para garantir destruição de arsenal químico

Watson se negou a divulgar a nacionalidade dos funcionários sequestrados, mas afirmou que em sua maioria são sírios. “Não sabemos quem os sequestrou, foi um grupo de desconhecidos armados (…). Apelamos por sua libertação imediata, incondicional e com toda a segurança”, disse Watson.

A Sana, agência estatal de notícias do regime sírio, publicou nota atribuindo o sequestro a “terroristas” – o termo usado pelo governo sírio para se referir aos rebeldes que lutam contra o regime do ditador sírio Bashar Assad. A maior parte do interior da província de Idlib é dominada pelos rebeldes. Os sequestros se tornaram parte da rotina na região nos últimos meses, especialmente o de agentes humanitários e jornalistas.

(Com agência France-Press)