Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Pyongyang adverte Seul de consequências se restringir viagens de condolências

Por Da Redação 25 dez 2011, 02h53

Seul, 25 dez (EFE).- A Coreia do Norte advertiu neste domingo = Seul de consequências ‘catastróficas’ nas relações entre as duas Coreias se não permitir que viajem para Pyongyang os cidadãos sul-coreanos que desejarem mostrar condolências pela morte de Kim Jong-il, informou neste domingo a agência sul-coreana ‘Yonhap’, após anúncio do Comitê para a Reunificação Pacífica da Coreia,

O Governo sul-coreano autorizou somente a viagem de dois grupos, liderados pela ex-primeira-dama Lee Hee-ho, viúva do ex-presidente e Prêmio Nobel da Paz sul-coreano Kim Dae-jung, e a presidente do grupo Hyundai, Hyun Jeong-eun.

Seul indicou que lhes permitiria viajar ao Norte como uma concessão em vista que anos atrás Pyongyang enviou por sua vez comitivas ao Sul quando faleceram Kim Dae-jung e o ex-presidente da Hyundai e marido de Hyun, Chung Mong-hun.

As duas Coreias estão tecnicamente em guerra depois que o conflito entre 1950 e 1953 terminou com um armistício em vez de um Tratado de Paz, e qualquer contato privado dos cidadãos do Sul com o Norte deve ser aprovado por Seul.

Após a morte de Kim Jong-il, anunciada na segunda-feira passada, o Governo sul-coreano expressou seus pêsames ‘aos cidadãos norte-coreanos’ e mostrou sua esperança de que se restaure a estabilidade nesse país o mais rápido possível, embora tenha assinalou que não enviaria nenhuma delegação oficial para transmitir suas condolências. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade