Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Putin coloca sistema de armas nucleares em estado de alerta

Objetivo é dissuadir membros da Otan a entrarem no conflito; presidente russo disse que aliança militar faz 'declarações agressivas' contra seu país

Por Lucas Vettorazzo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
27 fev 2022, 12h29

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, subiu alguns degraus na escalada do conflito contra a Ucrânia, que chegou neste domingo, 27, ao seu quarto dia. Em meio aos apelos para que os países sentem para negociar um cessar-fogo, Putin mandou um recado aos aliados da Ucrânia na Otan de que não pretende tolerar que países do Ocidente se metam em sua guerra.

Durante uma reunião transmitida pela TV estatal russa na manhã deste domingo, Putin ordenou aos seus chefes militares que coloquem o sistema de armas nucleares em estado de alerta máximo. Putin disse que, para além das sanções econômicas anunciadas recentemente, aliados da Ucrânia na Otan têm dado “declarações agressivas” contra o seu país.

Putin não usou o termo nuclear em sua fala, mas a ordem foi para colocar as “forças de dissuasão” em modo de combate. Ou seja, ele mandou que o arsenal esteja pronto para o seu emprego efetivo.

“Vocês estão vendo que o Ocidente não está tomando apenas ações não amigáveis contra nosso país na área econômica. São ações ilegítimas que todos conhecem bem. Mas os oficiais sêniores dos países da Otan também estão dando declarações agressivas contra o nosso país. Dessa forma, eu ordeno que o ministro da Defesa e o chefe do Estado Maior transfiram as forças de dissuasão do exército russo para o modo especial de serviço de combate”.

O objetivo russo é dissuadir os países membros da aliança a enviarem tropas para lutares no conflito. Estados Unidos, Reino Unido e a União Europeia já anunciaram sanções contra a Rússia e a Otan tem dado apoio à Ucrânia com treinamentos e equipamentos. Combatentes de fora dos dois países ainda não foram enviados oficialmente à zona de guerra, algo que Putin tenta justamente impedir.

Continua após a publicidade

A comunidade militar internacional vem divulgando a impressão de que a Rússia tem enfrentado dificuldades não previstas em sua invasão. Os russos divulgaram que já têm o domínio de três cidades, entre elas a segunda maior do país, Kharkiv. Autoridades locais, contudo, dizem que os conflitos estão em curso no centro da cidade e que tropas locais ainda resistem contra os invasores.

A reação dos opositores de Putin foi quase instantânea. O secretário de imprensa da Casa Branca, Joe Psaki, disse que o presidente russo “fabrica ameaças” para justificar suas agressões ao país vizinho. “Este é realmente um padrão que vimos do presidente Putin ao longo deste conflito. Ele está fabricando ameaças que não existem para justificar mais agressões. A comunidade global e o povo americano devem olhar para isso por meio deste prisma”, disse Psaki em entrevista a rede ABC.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.