Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Psicopata canadense se diz inocente da morte do namorado

Ator pornô acusado de matar e esquartejar chinês foi extraditado na segunda

Por Da Redação - 19 jun 2012, 16h57

O ator pornô Luka Magnotta, acusado de ter assassinado e esquartejado seu namorado no mês passado, declarou inocência nesta terça-feira perante um tribunal em Montreal, no Canadá. Os advogados do chamado psicopata canadense pediram uma avaliação psicológica antes de continuar o julgamento.

Entenda o caso

  1. • Luka Magnotta, cujo nome de nascimento é Eric Newman, ficou conhecido como psicopata canadense depois de divulgar na internet um vídeo no qual aparece matando um homem com um picador de gelo e desmembrando o corpo ao som de uma música do filme Psicopata Americano.
  2. • A vítima, um estudante chinês de 33 anos, seria namorado de Magnotta, que enviou pelo correio pedaços do cadáver a partidos políticos e escolas do Canadá.
  3. • Segundo a polícia, o crime teria sido cometido no dia 24 de maio de 2012 e dois dias depois Magnotta fugiu para a Europa, sendo preso em Berlim no dia 4 de junho.

Magnotta é acusado de homicídio de primeiro grau, profanação de cadáver e ameaça ao primeiro-ministro. Partes do corpo da vítima, um estudante chinês de 33 anos, foram enviados para partidos políticos e escolas do Canadá.

Investigação – Na quinta-feira, o tribunal deve decidir sobre o pedido da defesa para testes que determinem se o acusado tem responsabilidade legal por seus atos ou não. Magnotta foi extraditado da Alemanha na segunda-feira, após ser preso em Berlim no dia 4 de junho ao ser identificado em um cybercafé por um funcionário do estabelecimento. Pouco antes, a Interpol havia lançado um mandato internacional de busca pelo então fugitivo.

Publicidade

Com Magnotta em mãos, a polícia canadense espera descobrir onde está a cabeça da vítima, ainda desaparecida. “Este não é o fim da investigação”, disse o chefe de polícia de Montreal, Ian Lafreniere. “Nós estamos nos esquecendo de uma parte importante da investigação, que é a cabeça do corpo”, completou.

Publicidade