Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Provas ligam instrutor de artes marciais a cartas com veneno

A polícia federal americana informou que testes em itens recolhidos no estúdio de artes marciais de Everett Dutschke deram resultado positivo para ricina

Por Da Redação
30 abr 2013, 20h48

Uma máscara contra poeira e outros itens apreendidos no estúdio de artes marciais de um instrutor no Mississippi ligam o suspeito ao envio de cartas com veneno ao presidente Barack Obama e outros dois funcionários públicos. Testes realizados nos objetos tiveram resultado positivo para a substância ricina, de acordo com um documento judicial divulgado nesta terça-feira.

Saiba mais

RICINA

A ricina é um veneno encontrado na mamona e que pode estar em forma de pó ou de pastilha, ou então ser dissolvido em água. Segundo o Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC, sigla em inglês), órgão federal de saúde dos Estados Unidos, a ricina vem sendo usada em experimentos médicos como forma de matar as células cancerígenas. A não ser que uma pessoa tenha a intenção de expor a outra à ricina, ou que um indivíduo mastigue a mamona, é muito difícil entrar em contato com essa substância involuntariamente.

Continua após a publicidade

Não há, de acordo com o CDC, antídoto para a ricina. A única forma de tratar uma pessoa que entrou em contato com a substância é minimizar os efeitos do envenenamento.

A exposição à ricina pode acontecer por meio da inalação, ingestão, injeção ou contato com a pele. Uma vez no corpo, essa substância entra nas células e impede que elas produzam as proteínas necessárias para funcionarem e viverem. Os sintomas do envenenamento por ricina variam de acordo com a forma de exposição ao composto, mas podem incluir dificuldade para respirar, febre, tosse, edema pulmonar, baixa pressão arterial, vômitos, diarreia, vermelhidão na pele e irritação nos olhos. A morte por envenenamento de ricina pode ocorrer dentro de 36 a 72 horas, dependendo da forma de contato e da quantidade da substância exposta.

Documentos apreendidos pelo FBI também mostraram que o instrutor de artes marciais Everett Dutschke fez pedidos de sementes de mamona, fonte de ricina, em um portal de compras da internet, informou o agente especial do FBI Stephen Thomason, num depoimento de oito páginas. O levantamento feito pela polícia federal localizou no computador do suspeito um artigo sobre como produzir e armazenar a substância letal. Dutschke está detido desde sábado.

Continua após a publicidade

As investigações apontaram para Dutschke após o FBI retirar todas as acusações contra Paul Kevin Curtis. O imitador do cantor Elvis Presley foi o primeiro a ser apontado como suspeito pelo envio da correspondência, e também chegou a ser detido. O nome de Dutschke foi citado em uma audiência em um tribunal federal, quando a advogada de Curtis disse que os dois se conheciam e que o instrutor de artes marciais deveria ser considerado um possível suspeito.

Dutschke teve a sua residência e o seu estúdio de artes marciais revistados pelo FBI e negou desde o início qualquer envolvimento com as cartas envenenadas. Com o desenrolar das investigações, a polícia federal concluiu que o suspeito limpou os locais antes de ter seu nome ligado ao caso. O documento divulgado pelas autoridades afirma que o instrutor se desfez de uma série de itens, dentre os quais a máscara cirúrgica, que foi encontrada no lixo.

Os advogados de Dutschke não comentaram o documento. O instrutor deverá comparecer a uma audiência nesta quinta-feira e terá de responder criminalmente por produzir e portar ricina, além de usar o veneno como arma.

Continua após a publicidade

(Com agência Reuters)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.