Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Presidente do Irã critica novas sanções dos EUA

Medidas foram anunciadas em meio às negociações por um acordo nuclear entre Teerã e o Ocidente

O presidente do Irã, Hassan Rouhani, criticou neste sábado, em reunião com autoridades iranianas, as novas sanções impostas pelos Estados Unidos contra 25 empresas, bancos e pessoas físicas ligados ao programa nuclear daquele país na sexta-feira. Rouhani afirmou que “as sanções são uma invasão contra a nação iraniana”. “Devemos resistir à invasão e colocar os invasores em seu lugar”, afirmou durante o encontro transmitido por um canal de TV estatal.

Por meio de um comunicado, o subsecretário de Terrorismo e Inteligência Financeira dos Estados Unidos, David Cohen, afirmou que a decisão de Washington “reflete a nossa contínua determinação de agir contra qualquer um, em qualquer lugar” em relação à ameaça atômica. As nações ocidentais suspeitam que o Irã tentou encobrir a capacidade de produzir armas nucleares ao lado de seu programa civil de energia nuclear. Teerã nega as acusações.

Leia também:

EUA aplicam sanções contra o programa nuclear do Irã

Irã nuclear: negociações são estendidas por 4 meses

Irã diz ter copiado drone americano capturado em 2011

O anúncio feito pelo governo americano ocorre em um momento delicado para as negociações por um acordo nuclear entre o Irã e os países membros do Conselho de Segurança da ONU (Estados Unidos, Rússia, Grã-Bretanha, França e China) mais a Alemanha. “Vamos continuar as negociações até chegarmos a um acordo amplo sobre a questão nuclear do Irã”, disse Rouhani, acrescentando que, se não for alcançado um acordo final, haverá um retrocesso nos acordos de paz já firmados com o Ocidente.

Em novembro do ano passado, os países firmaram um pacto no qual Teerã suspendeu parte de suas atividades atômicas em troca da retirada parcial das sanções internacionais. A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) informou, em março, que o Irã está cumprindo os termos do acordo.

Negociações – Uma nova rodada de negociações deverá ser realizada no mês de setembro. Os países estipularam o dia 24 de novembro como a data limite para um acordo definitivo sobre o tema. Nesta sexta-feira, o ministro iraniano de Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif, disse esperar que um desfecho positivo possa ser alcançado antes do prazo final. “Nesse curto período de tempo que resta, esperamos poder alcançar um resultado positivo”, disse Zarif, que tem insistido para que o Conselho de Segurança da ONU reconheça o direito de Teerã manter os programas de enriquecimento de urânio.

Saiba mais: Acordo com Irã embaralha as cartas da geopolítica

Para alcançar a principal demanda dos iranianos, Zarif conta com o apoio da Rússia. “Esperamos que as contínuas conversas permitam a conclusão de tal resolução”, disse o chanceler russo, Sergei Lavrov. No começo deste mês, a Rússia e o Irã anunciaram um grande acordo envolvendo petróleo e alimentos, salientando os problemas em ambos os países para superar as sanções ocidentais.

(Com Estadão Conteúdo e Associated Press)