Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Presidente da Guiana diz que não há nada a temer sobre ameaça da Venezuela

Em vídeo, Irfaan Ali disse que intenção venezuelana de anexar região de Essequibo é controversa e cobrou respeito às leis internacionais

Por Paula Felix Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
3 dez 2023, 16h12

O presidente da Guiana, Irfaan Ali, gravou um pronunciamento neste domingo, 3, onde classificou o referendo para consultar a população venezuelana sobre uma possível anexação do território de Essequibo à Venezuela como uma “controvérsia” e ressaltou que “não há nada a temer”. No vídeo, o presidente disse que ações de vigilância para fortalecimento das fronteiras estão sendo realizadas e cobrou respeito às leis internacionais.

Ali afirmou que o episódio tem recebido atenção de diferentes partes do mundo não tem relação com um suposto “aumento da ameaça e da imprudência da Venezuela”. “Isso é um resultado direto do nível de consciência da Guiana. Sempre afirmamos que a nossa primeira linha de defesa é a diplomacia e estamos muito fortes nessa linha”, declarou.

Território em disputa
(./.)

No ponto mais alto do pronunciamento, o presidente afastou rumores de medo diante da investida pelo território. “Asseguro à Guiana que não há nada a temer durante as próximas horas, dias e meses. Mas, é claro, nossa vigilância vai melhorar. Estamos trabalhando 24 horas para garantir que nossas fronteiras permaneçam intactas e que nosso povo e nosso país permaneçam em segurança.”

Em outro momento, elogiou a população guianense. “Estou muito orgulhoso da forma que nosso povo está enfrentando o desafio. O nível de patriotismo, amor, união é algo que devemos levar adiante e deve se converter em parte inerente de nós.”

Continua após a publicidade

Apoio internacional à Guiana

O presidente declarou que tem recebido apoio de outros países, como Reino Unido, Estados Unidos, França e Canadá, e, ao longo de seu pronunciamento, manteve um tom moderado e sem ataques ao país vizinho. Também não citou nominalmente o presidente venezuelano Nicolás Maduro.

“Não vou entrar na política interna nem na formulação das políticas da Venezuela, mas quero advertir que é uma oportunidade para que o país demonstre maturidade, responsabilidade e os convoco, mais uma vez, para que se juntem a nós e permitam que o Estado de Direito funcione e determine o resultado dessa controvérsia.”

Ele também evocou a proximidade entre os países e até a citação bíblica de João 13:34 ao se dirigir à população da Venezuela. “Quero falar diretamente ao povo venezuelano e dizer que nós somos vizinhos e que nos ensinam a amar ao próximo como amamos a nós mesmos. Viveremos juntos como vizinhos mesmo depois dessa controvérsia e vocês têm de determinar dentro de vocês mesmos se querem fazer parte de um sistema que anda mal com a lei internacional.”

Referendo

País de apenas 804.000 habitantes — menos da metade da população de Caracas, por exemplo –, a Guiana entrou na mira do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, que quer anexar mais de 60% do território do país vizinho. A ameaça deve aumentar a partir deste domingo, 3, quando os venezuelanos irão às urnas em referendo para dizer se apoiam ou não a pretensão de seu dirigente.

Continua após a publicidade

A reivindicação territorial da Venezuela não é nova, mas cresceu nas últimas semanas em razão de dois fatores: a proximidade das eleições no país, em 2024, e o boom econômico do vizinho na esteira do avanço da exploração de petróleo.

Guiana
(./.)

O alvo da cobiça é a região de Essequibo, uma área de 160 mil quilômetros quadrados formada em sua maioria por uma densa floresta cortada por rios caudalosos, que faz fronteira com Roraima e que representa dois terços do território da Guiana. O interesse de Maduro se ampliou nos últimos anos com as descobertas de petróleo no litoral da região, cujo potencial ultrapassa 11 bilhões de barris. O petróleo fez com que a economia do país quadruplicasse nos últimos cinco anos.

O mineral explorado na Guiana é semelhante ao que é retirado na Venezuela, o que aumentou o interesse de Maduro pela anexação Essequibo, onde está a maior parte da produção do vizinho. A tentativa de anexação, no entanto, já provoca reação de potências como o Reino Unido – até 1966 a Guiana era uma colônia britânica –, dos Estados Unidos e da França.

Continua após a publicidade

Reportagem de VEJA desta semana mostra como a movimentação de Maduro virou um grande problema para Lula, que é o principal aliado na região do regime chavista.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.