Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Premiê líbio quer revisar nomes que elencou para governo

Abushagur havia apresentado lista ao Congresso Nacional ontem, mas disse nesta quinta que gostaria de trocar algumas nomeações até domingo

Por Da Redação 4 out 2012, 18h04

O primeiro-ministro da Líbia, Mustafa Abushagur, pediu nesta quinta-feira para revisar a lista de 23 ministros e três vice-primeiros-ministros que ele próprio escolheu para formar seu governo. Ele havia apresentado os nomes ao Congresso Nacional nesta quarta – com exceção da pasta da Defesa, que ainda estava em aberto. Em entrevista à TV estatal líbia, o premiê disse que gostaria de trocar algumas nomeações e entregar uma nova lista no domingo.

Os nomes que haviam sido indicados por Abushagur estavam prestes a ser analisados pela Assembleia Legislativa, responsável por ratificar o novo gabinete. No entanto, centenas de manifestantes invadiram o prédio, em protesto contra a lista inicial de indicados.

A lista elaborada por Abushagur inclui, de fato, muitos nomes desconhecidos, a exemplo do ministro do Petróleo, Mabrouk Issa Abu Harroura. Embora o primeiro-ministro insista em dizer que é “neutro” politicamente, há acusações de que seu ministério daria espaço para integrantes radicais do braço político da Irmandade Muçulmana, que tem um passado terrorista.

No dia 12 de setembro, Abushagur foi designado primeiro-ministro pelo Parlamento após vencer o ex-premiê Mahmoud Jibril, da AFN, no segundo turno. A formação do Executivo, prevista para o final de setembro, foi adiada para outubro a pedido do próprio Abushagur.

Apesar de ser presidida por Jibril, a AFN – principal força política do país, com 39 das 200 cadeiras do Congresso Nacional – se comprometeu, a princípio, a apoiar o Executivo de Abushagur, desde que sua decisão respeite “o interesse nacional da Líbia, melhore a segurança e impulsione o desenvolvimento” do país. A aliança exigiu oito ministérios, entre eles o de Relações Exteriores e o de Justiça, assim como o primeiro vice-presidente do governo.

Continua após a publicidade

Publicidade