Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Prefeito de Pedro Juan Caballero morre após sofrer atentado

Político paraguaio José Carlos Acevedo foi atacado por pistoleiros na terça (17); cidade é vizinha de Ponta Porã (MS) e tem sido disputada por facções

Por André Sollitto Atualizado em 22 Maio 2022, 13h25 - Publicado em 22 Maio 2022, 13h04

O político José Carlos Acevedo, 53, prefeito da cidade de Pedro Juan Caballero, na fronteira do Paraguai com o Brasil, foi morto após sofrer um atentado na tarde de terça-feira 17. Ao sair da prefeitura, pistoleiros abordaram seu carro e deram ao menos dez tiros no veículo. Acevedo foi socorrido e levado em estado grave para a um hospital da região, mas não resistiu. A morte cerebral havia sido anunciada pela equipe médica na tarde de sábado 21, e sua morte foi confirmada durante a noite.

A cidade faz divisa com Ponta Porã, em Mato Grosso do Sul, e tem sido palco de diversas ações violentas relacionadas ao tráfico de drogas. O PCC (Primeiro Comando da Capital) tem atividades na região, usada pelos criminosos para transportar principalmente maconha e cocaína para o Brasil.

O governador do estado paraguaio de Amambay, Ronald Acevedo, irmão do prefeito, afirmou que “não há palavras” para descrever o ocorrido. Em outubro do ano passado, o governado perdeu a filha, Haylee Carolina Acevedo Yunis, 21, em uma chacina em Pedro Juan Caballero que vitimou outras três pessoas, incluindo dois brasileiros. Na ocasião, ele afirmou que a polícia local não tem armamento para competir com as facções criminosas.

Logo após a chacina, o governo paraguaio assinou com a Polícia Federal (PF) brasileira um acordo de instalação de um Comando Bipartite nas cidades de Pedro Juan Caballero e Ponta Porã que permitiria, segundo as autoridades paraguaias, o intercâmbio de informações entre as autoridades policiais, militares e de inteligência, para poder enfrentar a criminalidade transnacional. “Há décadas nessa parte do território o crime organizado entrou de forma transnacional, o que se intensificou nos últimos tempos através de pistoleiros e agressões”, afirmou o ministro do Interior do Paraguai, Arnaldo Giuzzio Benítez, na ocasião.

A atuação do PCC na região acontece há mais de uma década, mas vem ganhando força nos últimos anos. De acordo com relatório divulgado pela Abin (Agência Brasileira de Inteligência), o Mato Grosso do Sul tem se tornado um importante corredor de drogas por conta da ampla fronteira com o Paraguai e pela facilidade com que criminosos conseguem transportar os narcóticos por terra. Essas drogas abastecem tanto o mercado interno brasileiro quanto a Europa e a África.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)