Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Prazo para acordo nuclear com Irã é estendido para o dia 7 de julho

Os negociadores das potências e de Teerã não conseguiram firmar um compromisso dentro da data limite, que terminava nesta terça-feira

Por Da Redação 30 jun 2015, 11h52

O Irã e os países do Grupo 5+1 (Estados Unidos, França, Rússia, Grã-Bretanha, China e Alemanha) concordaram em estender até o dia 7 de julho o prazo final para um compromisso referente ao programa nuclear da república islâmica. Os negociadores aceleraram o ritmo das conversas, mas discordâncias e entraves diplomáticos impediram os países de alcançar um pacto nesta terça-feira – acordada anteriormente como a data limite para a assinatura do acordo. Diplomatas das potências chegaram a dizer que as negociações realizadas em Viena, na Áustria, seguirão em andamento pelo tempo que for necessário. Já representantes iranianos declararam que as conversas continuarão até que “seja firmado um bom acordo”.

A intenção do Grupo 5+1 é assinar um acordo que revogará as sanções impostas ao Irã em troca de, pelo menos, uma década de limite às atividades nucleares mais sensíveis do país islâmico. O Ocidente suspeita que o Irã esteja desenvolvendo tecnologias para a construção de armas nucleares sob o disfarce de um programa civil de energia atômica, mas Teerã diz que possui objetivos estritamente pacíficos.

Leia também:

Israel e Arábia Saudita se reuniram em segredo para tratar do Irã

Obama diz a aliados árabes que acordo com Irã não representa ameaça

Continua após a publicidade

EUA: Senado aprova acordo para Congresso revisar pacto nuclear com Irã

Acredita-se que o Irã estaria disposto a ceder e aceitar que as sanções econômicas sejam suspensas progressivamente, conforme se verifique o cumprimento do acordo, e não de forma imediata como o país exigia. Por outro lado, os Estados Unidos concordariam que o regime de inspeções da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) às instalações nucleares iranianas não inclua automaticamente as bases militares, algo que as grandes potências insistiam e que Teerã recusava ao citar questões de segurança nacional como justificativa.

O secretário de Estado americano, John Kerry, permaneceu em Viena para esperar o retorno do ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, que viajou para consultas com os dirigentes do país, em Teerã. “Há questões reais e difíceis que persistem e que têm de ser resolvidas a fim de se obter um acordo abrangente, e nós ainda não sabemos se vamos ser capazes de chegar lá”, disse um alto funcionário do governo americano. Zarif voou na manhã de terça-feira com o chefe nuclear do Irã, Ali Akbar Salehi, e imediatamente participou de uma reunião de quase duas horas com Kerry. “Estou aqui para chegar a um acordo final, e eu acho que podemos”, declarou. Zarif também se reunirá com os seus homólogos alemães e russos mais tarde.

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade