Clique e assine a partir de 9,90/mês

Porta-voz da Casa Branca pede demissão

O posto de diretor de comunicação foi dado a Anthony Scaramucci, que foi responsável por arrecadação de fundos durante a campanha presidencial

Por Da redação - Atualizado em 21 jul 2017, 15h34 - Publicado em 21 jul 2017, 13h25

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, se demitiu do cargo na manhã desta sexta-feira. De acordo com o The New York Times, ele disse ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que discordava da escolha de Anthony Scaramucci para diretor de comunicação do governo.

Segundo o jornal americano,  Trump pediu que Spicer continuasse no cargo, mas o assessor se recusou, justificando que a nova indicação era um grande erro.

Scaramucci é um empresário dono da SkyBridge Capital e colaborador do canal Fox News, cujo cobertura é mais favorável a Trump. Ele é um advogado graduado na Universidade de Harvard e nascido em Long Island, e foi apontado dois meses depois que o antecessor, Mike Dubke, deixou o cargo.

Spicer atuava na linha de frente da tensa relação entre a Casa Branca e a imprensa, fazendo relatórios diários em Washington. Frequentemente, era duramente questionado por repórteres sobre as decisões ou polêmicas declarações do presidente. Em diversos momentos, cometeu gafes na frente das câmeras ou nas redes sociais. Antes de integrar o governo, ele trabalhou como porta-voz e estrategista para o Comitê Nacional Republicano.

Continua após a publicidade

O governo de Donald Trump atravessa sérios problemas com a imprensa, já que além dos enfrentamentos diretos que protagonizou, tornou pública em várias ocasiões sua inconformidade sobre como a Casa Branca administra sua relação com os jornalistas.

No final de maio, Trump ameaçou acabar com as entrevistas coletivas do Executivo, algo que não se concretizou. Ainda assim, reduziu consideravelmente o número de encontros de seus porta-vozes com a imprensa, que agora na maioria das vezes acontecem sem presença de câmeras.

Spicer vinha se queixando sobre a cobertura “negativa” e “desmoralizante” que, ao seu julgamento, a maioria dos meios de comunicação fazem sobre Trump.

Publicidade