Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Pólio preocupa Reino Unido com primeira detecção depois de 40 anos

Último caso registrado da doença foi em 1984, e há complicações graves como paralisia

Por Da Redação Atualizado em 22 jun 2022, 15h38 - Publicado em 22 jun 2022, 15h35

Nesta quarta-feira, 22, a Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido (UKHSA) anunciou que um vírus da poliomielite derivado da vacina havia sido detectado em esgoto do norte e leste de Londres em fevereiro e abril, sugerindo que havia se espalhado entre  indivíduos. As autoridades não declararam o surgimento de novos casos, mas pediram para as pessoas se vacinarem.

O último caso da doença no Reino Unido foi detectado em 1984, e em 2003 havia sido erradicada.

Londres tem uma das piores taxas de aceitação à vacina da pólio no país, com cerca de um terço das crianças não recebendo a primeira vacina aos 12 meses de idade e quase um quarto perdendo uma vacina aos 24 meses. Mesmo que as vacinas sejam oferecidas às crianças rotineiramente, quase uma em cada 10 não é vacinada e cerca de 30% sem reforço na adolescência.

Em populações não vacinadas, a doença pode gerar raras, mas graves complicações. Pode infectar a medula espinhal e a base do cérebro, causando paralisia, geralmente nas pernas, que se desenvolve ao longo de horas ou dias. Se os músculos respiratórios forem afetados, pode ser fatal. As autoridades estão preocupadas que mesmo pessoas totalmente vacinadas possam pegar e espalhar o vírus sem perceber.

A doença pode ser transmitida por má higiene das mãos e, menos comumente, por tosse e espirro. O vírus se multiplica no intestino e as pessoas infectadas excretam grandes quantidades de vírus nas fezes por várias

Especialistas acreditam que o vírus provavelmente foi importado de alguém que recentemente recebeu uma vacina oral contra a poliomielite, em outro país, contendo vírus vivo que foi eliminado nas fezes, entrando no sistema de esgoto de Londres. A cepa foi descoberta em uma inspeção regular do governo nas águas do esgoto.

“O poliovírus derivado de vacinas tem o potencial de se espalhar, particularmente em comunidades onde a aceitação da vacina é menor”, disse Vanessa Saliba, epidemiologista consultora do UKHSA. “Estamos investigando urgentemente para entender melhor a extensão dessa transmissão e o NHS foi solicitado a relatar rapidamente quaisquer casos suspeitos ao UKHSA”.

Há quase dois anos, os países da África declararam que estão livres do poliovírus, fazendo com que Afeganistão e Paquistão sejam as únicas nações no mundo onde a pólio ainda é endêmica. Um plano bilionário público-privado está em curso desde 2021 e pretende acabar de vez com a doença no mundo até 2026.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)