Clique e assine a partir de 9,90/mês

Polícia inglesa investiga ataque em metrô de Londres como “ato terrorista”

Neste sábado, homem feriu duas pessoas com uma faca e gritou que ação "é pela Síria", segundo testemunhas

Por Da Redação - 6 dez 2015, 09h58

O ataque em uma estação de metrô em Londres, na Inglaterra, está sendo tratado pela polícia como um “ato terrorista”. Neste sábado, um homem portando uma faca invadiu a estação de Leytonstone, no leste da cidade, e feriu duas pessoas. O agressor, que segundo testemunhas gritou “isso é pela Síria” e “todo o sangue de vocês irá jorrar”, foi contido pelas autoridades de segurança com uma arma de choque e está sob custódia.

Um vídeo amador publicado em redes sociais mostra uma poça de sangue na área da bilheteria da estação. Nas imagens, também é possível ouvir uma pessoa dizer “Você não é mulçumano” para o agressor no momento em que ele foi detido pela polícia, por volta das 19 horas locais (17 horas em Brasília).

Leia também:

Terroristas de Paris tinham ligações na Grã-Bretanha, diz jornal ‘WSJ’

Continua após a publicidade

As informações iniciais da Polícia Metropolitana de Londres apontam que o agressor é um homem de 29 anos e que uma das vítimas, um cidadão de 56 anos, ficou gravemente ferido, mas não corre risco de morrer.

Segundo a imprensa local, uma testemunha relatou que o responsável pelo ataque afirmou que sua ação era uma resposta às ações de países ocidentais na Síria para combater o Estado Islâmico (EI). A polícia inglesa, porém, se negou a confirmar essa hipótese. Nesta quarta-feira, o Parlamento britânico aprovou a participação do país nos bombardeios à Síria com o objetivo de destruir focos de jihadistas. Nesta quinta-feira, o governo de David Cameron realizou os seus primeiros ataques aéreos na região.

A Grã-Bretanha estabeleceu o segundo maior nível de alerta de segurança, o “severo”, que vê como altamente provável que o ataque seja de um militante do EI, principalmente pelo fato de o grupo terrorista incentivar os seus apoiadores a atacar regiões do Ocidente.

(Da redação)

Publicidade