Clique e assine a partir de 9,90/mês

Plano torna sistema de imigração ‘mais justo’, diz Obama

Ele rebateu críticas e disse que o Congresso deveria votar lei sobre tema

Por Da Redação - 21 nov 2014, 21h12

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, iniciou nesta sexta-feira a campanha para divulgar o plano de reforma da imigração ao público americano. Ele afirmou que os decretos do Executivo vão proteger milhões de imigrantes ilegais, mas que vai continuar pressionando o Congresso para aprovar uma legislação mais ampla.

“Nós vamos continuar a trabalhar com os membros do Congresso para tomar a reforma permanente uma realidade”, declarou Obama em evento escola Del Sol High School, em Las Vegas. “Mas até esse dia chegar, há ações que eu tenho autoridade legal para tomar que vão ajudar a tornar o nosso sistema de imigração mais justo”, acrescentou.

A escolha do local do discurso foi simbólica. O presidente já havia visitado a escola em 2012. Na ocasião, ele falou sobre a necessidade de uma revisão do sistema migratório. Em um auditório lotado, o presidente foi saudado por apoiadores, muitos deles de origem hispânica. Do lado de fora, alguns manifestantes entoaram gritos de “sem anistia!”.

Leia também:

Continua após a publicidade

Obama revela plano para legalizar 5 milhões de imigrantes

Mulher armada é detida nas imediações da Casa Branca

Obama pede US$ 3,7 bi para enfrentar surto migratório de crianças

EUA agilizam deportações diante da crise na fronteira

Continua após a publicidade

Obama também rebateu as críticas dos republicanos, que o acusaram de agir de maneira “imperial” ao decidir reforma parte do sistema migratório por decreto. Segundo o presidente, ele teve que usar a força dos decretos porque o Congresso não age na questão migratória. “Dizem que a lei é uma sabotagem, que impede o Congresso de tomar decisões. Na verdade, eles ainda podem fazer essa reforma antes do final do ano”, disse Obama.”Existe muito há fazer sobre vistos de trabalhadores qualificados, cidadania e programa para trabalhadores sazonais. Por isso, digo aos meus críticos: façam a reforma”, afirmou o presidente.

Caio Blinder: Em cartada arriscada, Obama concede a si o título de imperador

Publicidade