Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Pequim indica que adotará política de ‘Covid zero’ para os próximos 5 anos

Estratégia chegou a ser eficaz nos primeiros meses de pandemia, porém os extensos lockdowns se tornaram ineficientes com a chegada da Ômicron

Por Da Redação Atualizado em 27 jun 2022, 15h32 - Publicado em 27 jun 2022, 15h13

O governo de Pequim, na China, anunciou nesta segunda-feira, 27, que a política de “Covid zero” do país pode permanecer em vigor pelos próximos cinco anos, incluindo testagens em massa e restrições de viagens. 

O anúncio do secretário da capital do Partido Comunista Chinês, Cai Qi, causou alarme e confusão em meio à população chinesa. Segundo ele, “nos próximos cinco anos, Pequim compreenderá incansavelmente a normalização da prevenção e controle da epidemia”.

+ Xangai alivia restrições contra Covid após dois meses de lockdown total

A notícia foi dada inicialmente pelo jornal Beijing Daily e foi rapidamente republicada em outros veículos de comunicação estatais, além de amplamente divulgada nas redes sociais. No entanto, a referência a “cinco anos” foi posteriormente removida da maioria das publicações online.

O comunicado aponta que as autoridades estão comprometidas a manter e melhorar o “estrito gerenciamento do mecanismo de coordenação conjunta de prevenção e controle” da cidade e o sistema de resposta a emergências, que inclui aqueles projetados para impedir a circulação do vírus por meio de “isolamento, gerenciamento e controle”.

Foi reforçada ainda a importância das inspeções residenciais rigorosas, a normalização de testes em massa regulares e o controle da entrada e saída de pessoas de Pequim.

O governo da China, sob o comando do presidente Xi Jinping, adotou a política de “Covid zero” durante praticamente toda a pandemia, caminhando na contramão do mundo, que adotou uma prática de coexistência com o coronavírus.

Continua após a publicidade

Apesar de quase irredutível, Xi tem ordenado às autoridades locais que comecem a equilibrar a política com uma relativa abertura, de modo que ela não impeça o crescimento econômico pós-pandemia. 

O Partido Comunista Chinês ainda não esclareceu a declaração ou a remoção da referência a cinco anos. Alguns observadores sugerem que a frase se refere a um termo utilizado frequentemente pelo governo e que poderia ser uma linha do tempo no contexto da pandemia do coronavírus. Outros reduzem a informação a um erro de edição do Beijing Daily, primeiro veículo a publicar o comunicado. 

A estratégia de colocar a população em quarentena para eliminar definitivamente o vírus de determinada região se provou eficaz durante os primeiros surtos de Covid-19. No entanto, com a chegada da variante Ômicron, que tem alta taxa de transmissão, a política se tornou um grande problema, com longos períodos de lockdown que causaram a revolta da população e travaram a recuperação econômica do país. 

+ Xangai volta ao lockdown após afrouxar restrições da Covid-19

Os extensos bloqueios afetaram uma série de cidades e regiões chinesas desde a chegada da nova variante. O mais marcante deles foi em Xangai, motor econômico da China e do mundo.

Durante dois meses, os mais de 25 milhões de moradores foram obrigados a permanecer em suas casas para evitar a propagação do vírus. Mesmo com o anúncio do fim das restrições, em 1º de junho, alguns distritos específicos da cidade voltaram a fazer quarentenas, causando temor na população. 

No último domingo 26, Pequim anunciou o retorno das aulas presenciais, mas a ameaça a bloqueios repentinos e restrições de viagens persiste. Na semana passada, o município de Shenzhen isolou um bairro e trancou vários prédios residenciais depois de um único caso confirmado. Em seguida, o lockdown foi estendido a parques e locais de entretenimento devido a doze casos relatados. 

Desde o início da pandemia, em 2020, a China registrou 888 mil casos de Covid-19 e 5.226 mortos, de acordo com dados do governo chinês. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)