Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Pequim acusa Japão de tentar ‘reescrever a história’

Ministro japonês presta homenagens a criminosos de guerra e irrita chineses

O governo da China fez novas críticas nesta quinta-feira contra a visita de um político japonês ao santuário Yasukuni e acusou Tóquio de querer “reescrever a história da II Guerra Mundial”. O ministro japonês do Interior Yoshitaka Shindo visitou o santuário de Yasukuni em Tóquio, um símbolo do imperialismo japonês e tradicional ponto de atrito com a China e Coreia do Sul.

“Os chineses e os povos da Ásia não permitirão que o Japão volte atrás na história”, ressaltou em comunicado a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores Hua Chunying, citada pela agência estatal Xinhua. A visita de Shindo “mostra mais uma vez a perigosa intenção por parte do Japão de esconder seus crimes de guerra e desafiar os resultados da II Guerra Mundial e a ordem internacional após o conflito”, disse Hua. Ela também declarou que “é mais uma provocação de membros do Gabinete japonês em relação a questões históricas”.

Leia também

China proíbe membros do governo de fumar em público

Crise na Ásia: Coreia do Sul cancela reuniões com o Japão

A visita do ministro japonês na quarta-feira aconteceu menos de uma semana depois do primeiro-ministro Shinzo Abe ser criticado pela comunidade internacional por também ter visitado o santuário de Yasukuni em Tóquio, que presta homenagem aos milhões de soldados caídos do Exército Imperial japonês entre 1853 e 1945. A visita de Abe a Yasukuni foi a primeira de um chefe de governo desde 2006.

O ministro do Interior, conhecido por seus duros posicionamentos nos conflitos territoriais do Japão com seus vizinhos, já visitou o santuário em outubro passado por causa do Festival de Outono – quando também foi duramente criticado por Pequim e Seul.

O santuário Yasukuni homenageia, entre outros, catorze criminosos de guerra. A China e a Coreia do Sul, países que sofreram com a violenta invasão japonesa durante a II Guerra Mundial consideram o local como um símbolo do colonialismo e militarismo japonês.

(Com agência EFE)