Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Pela primeira vez, Vietnã reconhece que ser LGBT não é doença

Em decisão vista como histórica, Ministério da Saúde do país declarou que orientação sexual não é passível de tratamento médico

Por Da Redação
Atualizado em 24 ago 2022, 11h06 - Publicado em 24 ago 2022, 10h57

O Ministério da Saúde do Vietnã declarou, pela primeira vez, que ser homossexual, bissexual ou transgênero não deve ser considerado como doença. A decisão histórica foi vista como uma “enorme mudança de paradigma” nas atitudes do governo em relação à diversidade sexual.

O anúncio, enviado aos departamentos de saúde provinciais e municipais no início deste mês, orienta que os médicos não devem “interferir nem forçar o tratamento” em pacientes LGBTQIA+ e devem tratar esse grupo com o devido respeito, sem discriminação.

+ Singapura vai descriminalizar o sexo entre homens

A campanha reconhece que a homossexualidade “não é totalmente uma doença”, por isso, “não pode ser ‘curada’ nem convertida de forma alguma”.

O avanço, ainda que tímido, foi visto como o início de uma revolução nas políticas vietnamitas.

Continua após a publicidade

“Embora as atitudes não mudem da noite para o dia, isso marca uma enorme mudança de paradigma”, disse Kyle Knight, pesquisador da Human Rights Watch, organização internacional não governamental que defende e realiza pesquisas sobre os direitos humanos. 

+ Série infantil da Netflix com beijo lésbico revolta cristãos

Em entrevista ao jornal britânico The Guardian, Knight estimou que, por ter sido emitido pelo Ministério da Saúde, a mais confiável de autoridade médica no Vietnã, o anúncio poderá gerar um grande impacto sobre as percepções da sociedade sobre a população LGBTQIA+.

“O mito de que a homossexualidade é diagnosticável tem permeado e permeado a sociedade vietnamita. É um fator subjacente à negligência médica contra jovens que se identificam com a sigla”, disse o pesquisador.

Continua após a publicidade

+ Uniforme do orgulho LGBTQ+ provoca boicote em time de Rugby da Austrália

Em novembro, a campanha “Leave with Pride” do Instituto de Estudos da Sociedade, Economia e Meio Ambiente (iSEE) fez uma petição à Organização Mundial da Saúde (OMS) para afirmar que ser gay não é uma doença.

Em abril, o representante da OMS no Vietnã, Kidong Park, divulgou uma declaração confirmando que qualquer tentativa de mudar a orientação sexual de pessoas LGBTQ+ “não tem base médica e é inaceitável”.

A iSEE, que luta pelos direitos das minorias vietnamitas, reivindica junto a outros grupos ativistas do país a implementação de legislações que permitam o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.