Clique e assine a partir de 9,90/mês

Partido de Chávez vence eleições regionais na Venezuela

O opositor Capriles, no entanto, manteve o importante estado de Miranda

Por Da Redação - 17 dez 2012, 01h18

O Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), do coronel Hugo Chávez, saiu vencedor nas eleições regionais que aconteceram neste domingo na Venezuela ao conseguir 19 dos 23 estados do país, embora o líder opositor Henrique Capriles tenha conseguido se reeleger como governador do importante estado de Miranda.

Leia também:

Chávez chefia Venezuela a partir de Cuba, diz ministro

A presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), Tibisay Lucena, informou que houve uma participação de apenas 53,94% do eleitorado e que os resultados já estão apurados em 94,82% em todos os estados. As únicas exceções são os estados do Amazonas, onde apesar da apuração atrasada já está definido que a vitória será da oposição, e em Bolívar, onde ainda não há uma tendência definida.

O PSUV conseguiu tirar da oposição o estado petroleiro de Zulia, no oeste do país – a região era governda pelo líder do partido Um Novo Tempo, Pablo Pérez, pré-candidato das eleições primárias da oposição em fevereiro passado para as eleições do dia 7 de outubro. Além disso, o partido de Chávez venceu também em Carabobo (centro), Nova Esparta (do qual faz parte a Ilha Margarita) e Táchira (sudoeste), na fronteira com a Colômbia. Em todos esses casos, os estados eram antes governados pela oposição.

Joia – A oposição, apesar disso, conseguiu manter a chamada “joia da coroa” nas eleições regionais, o estado de Miranda, que abrange Caracas e continua nas mãos do ex-candidato presidencial Capriles, que com seu triunfo reafirma sua liderança entre os adversários de Chávez, que segue em Cuba após sua quarta cirurgia contra o câncer.

Também fica nas mãos opositoras o estado de Lara, no qual ganhou de maneira folgada Henry Falcon. Dos dois estados em disputa ainda não definidos, está praticamente certo que Amazonas ficará nas mãos do governador opositor Liborio Garulla, enquanto em Bolívar o resultado deve ser muito apertado.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade