Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Parlamentares britânicos aprovam legislação do Brexit

Discussão sobre a saída do Reino Unido da UE, contudo, ainda deve enfrentar testes mais duros

Por Da redação - 18 jan 2018, 09h50

A Câmara dos Comuns britânica aprovou nesta quarta-feira o projeto de lei de saída da União Europeia, dando mais um passo rumo ao Brexit e ignorando a discussão sobre um eventual segundo referendo.

Os deputados aprovaram a legislação por 324 votos a favor e 195 contra, marcando uma vitória para a primeira-ministra Theresa May sobre adversários políticos que defendem uma abordagem mais suave para a saída do Reino Unido da União Europeia.

Agora, porém, a lei enfrentará análise da câmara alta do Parlamento, amplamente pró-UE e onde o partido de May não possui maioria, o que irá intensificar os esforços da oposição por um novo referendo e por frear ou até mesmo interromper a separação.

A lei

O projeto revoga a lei de 1972 que transformou o Reino Unido em membro da União Europeia e que transforma as leis da UE em leis britânicas. “Este projeto de lei é essencial para preparar o país para o marco histórico de saída da União Europeia”, disse o ministro do Brexit, David Davis, ao Parlamento antes da votação.

Publicidade

Portanto, se aprovado, este projeto de lei vai incorporar milhares de artigos da legislação da UE no ordenamento jurídico britânico e anulará as leis britânicas sobre associação ao bloco.

Espera-se que os Lordes comecem a debater o texto nos dias 30 ou 31 de janeiro, e que o processo dure vários meses.

A Câmara dos Lordes possui diversos indicados políticos não eleitos que se opõem ao Brexit. Alguns deles devem tentar suavizar a abordagem do Brexit para incluir a permanência no mercado único da UE ou cobrar por uma segunda consulta pública. Porém, é mais provável que as maiores mudanças envolvam apenas questões técnicas e constitucionais.

União Europeia

Os líderes da União Europeia abriram nesta terça-feira a porta para que o Reino Unido mude de opinião sobre o Brexit.

Publicidade

Os comentários neste sentido do presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, e da Comissão Europeia, Jean Claude Juncker, entre outros, motivaram ainda mais discussões dentro do governo de May sobre um novo referendo para decidir sobre a saída do bloco. “Nosso coração continua aberto a vocês”, disse Tusk aos britânicos.

Um dos líderes da campanha a favor da saída da UE no referendo de junho de 2016, Nigel Farage, pôs a questão surpreendentemente na mesa, ao afirmar que estava cada vez mais aberto à ideia.

(Com AFP e Reuters)

Publicidade