Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Para Otan, invasão russa do espaço aéreo turco foi intencional

"Não vou especular sobre os motivos, mas esse não parece ser um acidente, e vimos dois deles", disse o secretário-geral da aliança militar ocidental, Jens Stoltenberg

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Jens Stoltenberg, ressaltou nesta terça-feira que a incursão da Rússia no espaço aéreo da Turquia no fim de semana passado não parece um incidente e reiterou que Moscou deve respeitar as fronteiras de Ancara. Depois da inesperada iniciativa da Rússia de lançar ataques aéreos na Síria, posta em prática na semana passada,

Stoltenberg disse que a Otan também obteve relatos de um substancial acúmulo militar russo no país, incluindo tropas terrestres e navios na costa síria, no Mediterrâneo. “Não vou especular sobre os motivos, mas esse não parece ser um acidente, e vimos dois deles”, disse Stoltenberg sobre as incursões aéreas na região de Hatay, no sul da Turquia. Ele observou que “durou por muito tempo”.

Leia também

Otan: Rússia deve parar ‘imediatamente’ de atacar opositores de Assad

TV russa: “Tempo ideal para bombardeios na Síria”

Obama: campanha da Rússia está ‘somente fortalecendo’ o EI

Os incidentes, que a Otan descreveu como “extremamente perigosos” e “inaceitáveis”, evidenciam os riscos de uma escalada internacional da guerra civil síria, já que aviões russos e americanas realizam missões de combate no mesmo país pela primeira vez desde a II Guerra Mundial . Stoltenberg indicou, além disso, que a aliança não recebeu explicações sobre o ocorrido até o momento, sabendo do incidente “apenas pelos meios de comunicação”. Ele afirmou que se conversou sobre a possibilidade de recorrer às linhas de comunicação militar com a Rússia para abordar o assunto.

Os aliados da Otan apoiaram a Turquia ontem diante da violação “inaceitável e irresponsável” do espaço aéreo do país pela Rússia, pedindo que Moscou interrompa imediatamente os ataques contra a oposição e civis na Síria para focar os bombardeios contra o grupo jihadista Estado Islâmico (EI).

(Da redação)