Clique e assine a partir de 9,90/mês

Para a ‘Economist’, Trump seria perigoso como presidente

'Ninguém gostaria de ver os dedos deste magnata errático perto de um botão nuclear'

Por Da Redação - 3 set 2015, 12h54

A revista britânica Economist que chega às bancas neste sábado afirma em editorial, antecipado nesta quinta-feira em sua página de internet, que seria perigoso para os Estados Unidos ter Donald Trump como presidente. “Um caixeiro-viajante com experiência em reality shows, mas absolutamente nenhuma em cargos eletivos, quer ser presidente? Ninguém gostaria de ver os dedos deste magnata errático perto de um botão nuclear”, afirma um trecho do texto.

O editorial prossegue ressaltando as contradições e os absurdos no discurso e nas ações de Trump. Sobre o seu projeto de expulsar os 11 milhões de imigrantes ilegais que vivem nos EUA, o texto rebate com números. De acordo com a revista, uma operação desse porte custaria, no mínimo, 285 bilhões de dólares (mais de 1 trilhão de reais). A Economist chegou a esse número atribuindo o custo de 900 dólares – subestimado, a publicação ressalta – para cada imigrante deportado.

Leia também

Trump: ‘Nos EUA, Jeb Bush deveria falar em inglês e não em espanhol’

Continua após a publicidade

E-mails revelam que amigo de Hillary lhe deu conselhos sobre política e diplomacia

Trump cresce e Hillary desacelera em campanha eleitoral americana

“Trump é muito perigoso por duas razões. Em primeiro lugar, como um bilionário, ele não vai ficar sem dinheiro para financiar sua campanha. Em segundo lugar, ele enfrenta tantos opositores republicanos que poderia conseguir a nomeação com apenas uma modesta quantidade de votos”, relata o texto. “Em outros países, demagogos, por vezes, ganham as eleições; e não há nenhuma razão convincente para os EUA serem imunes a isso. Os republicanos devem ouvir Trump atentamente e votar em outro candidato”, finaliza o texto.

Capa da revista britânica 'The Economist' alertando para o perigo que Trump representa
Capa da revista britânica ‘The Economist’ alertando para o perigo que Trump representa VEJA

(Da redação)

Publicidade