Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Paquistão: Mortos pelo calor já passam de mil e necrotérios estão sem espaço

Calor coincidiu com o Ramadã, período sagrado do Islã. Apesar da liberação para beber água, lojas não vendem o produto e muitos muçulmanos jejuam do nascer ao pôr-do-sol

A pior onda de calor em 35 anos a atingir a cidade de Karachi, no sul do Paquistão, já matou mais de mil pessoas, informaram as autoridades nesta quinta-feira. Lotados, os necrotérios começam a ficar sem espaço e hospitais públicos enfrentam dificuldades para lidar com a situação. A onda de calor na cidade de 20 milhões de habitantes, centro econômico do país, coincidiu com cortes nos fornecimento eletricidade, deixando muitos sem ventilador, água e energia, e com o início do mês sagrado do Ramadã, quando muitos muçulmanos não comem ou bebem durante o dia.

O Comitê Central do Ruet-e-Hilal de Karachi, o órgão religioso que determina as datas do Ramadã, emitiu ontem uma fatwa – um pronunciamento legal no Islã emitido por um especialista em lei religiosa – que permite a quebra do jejum devido às altas temperaturas. No entanto, algumas lojas seguiam se recusando a vender água durante o dia. Durante o Ramadã no Paquistão é ilegal beber ou comer em público do amanhecer ao pôr-do-sol.

Leia também

Onda de calor mata 432 pessoas no Paquistão

Onda de calor mata 148 pessoas em dois dias no Paquistão

Forte onda de calor na Índia já matou mais de 1.000 pessoas

A chegada de um grande número de corpos nos necrotérios forçou os funcionários a acomodarem os mortos no chão, disse Anwar Kazmi, da organização de caridade Edhi Foundation. Os equipamentos de ar-condicionado no necrotério pararam de funcionar, prejudicando a preservação dos corpos que se decompõem mais rápido.

Segundo Kazmi , o governo faz pouco caso da situação. “O governo não fez nada exceto culpar a K-electric pela situação”. A K-electric é a companhia de energia que abastece a cidade de Karachi. O ativista social, no entanto, elogiou o esforço dos profissionais de saúde. “Os médicos e funcionários dos hospitais públicos estão trabalhando sem parar, tratando uma infinidade de pacientes”, disse. De acordo com o jornal local Dawn, 40.000 pessoas foram tratadas nos hospitais de Karachi por causa do calor e centenas delas continuam hospitalizadas. A maioria das mortes é de pessoas com mais de 60 anos e de trabalhadores que desempenham suas tarefas ao ar livre.

A K-eletric informou que conexões ilegais estão sobrecarregando as linhas e a demanda aumentou devido ao forte calor. Ainda de acordo com a empresa, o governo deve mais de 1 bilhão de dólares (mais de 3,2 bilhões de reais) em contas atrasadas. Após a máxima de 45 graus no fim de semana, os termômetros baixaram nesta quinta para 36 graus, mas o clima permanece seco, disse um meteorologista do Departamento Meteorológico do Paquistão, Mohammed Farouk. As ondas de calor são frequentes no subcontinente indiano nos meses de maio e junho, que precedem a chegada das chuvas das monções.

(Da redação)