Clique e assine a partir de 9,90/mês

Papa vai colocar padroeira de Cuba nos jardins do Vaticano

O gesto é considerado uma mensagem direta para a ditadura dos irmãos Castro, que historicamente perseguiu a população cristã na ilha

Por Da Redação - 27 ago 2014, 07h40

O papa Francisco anunciou nesta quarta-feira que amanhã será colocada nos jardins do Vaticano uma imagem de Nossa Senhora da Caridad del Cobre, a padroeira de Cuba. O gesto do papa está sendo interpretado por especialistas no Vaticano como uma manifestação de apoio aos católicos cubanos e uma mensagem direta para a ditadura dos irmãos Castro, que controla Cuba há mais de 50 anos e historicamente perseguiu os fiéis.

Logo após a revolução cubana, em 1959, os católicos e a igreja passaram a ser perseguidos. Com o passar do tempo, houve uma distensão na intolerância contra os católicos na ilha, mas ainda hoje apenas pouco mais de 10% da população cubana admite ser fiel ao catolicismo – um número considerado baixo, reflexo do medo dos cristãos em assumir abertamente sua religião em Cuba.

Leia também

Papa Francisco está na mira dos jihadistas

Continua após a publicidade

Pela 1ª vez, Vaticano vai julgar ex-arcebispo por abuso sexual

Papa menciona perspectiva de sua morte pela 1ª vez

A imagem de Nossa Senhora que será colocada nos jardins do Vaticano é uma réplica feita em bronze de uma imagem que desapareceu em Cuba em 1961 e que foi dada pelos bispos cubanos ao papa Bento XVI durante uma visita à Santa Sé em maio de 2008.

Leia mais

Continua após a publicidade

China sinaliza que quer melhorar relações com o Vaticano

Papa chora ao saber sobre cristãos crucificados na Síria

A cerimônia de colocação da imagem e oração pela Nossa senhora será presidida pelo cardeal Tarcisio Bertone, ex-secretário de Estado do Vaticano. O papa não vai estar presente por problemas de agenda, mas estarão na cerimônia o arcebispo de Santiago de Cuba e presidente da Conferência Episcopal, Dionisio García Ibáñez; o bispo de Santa Clara, Arturo González Amador, e o bispo auxiliar de Havana, Juan de Deus Hernández-Ruíz.

(Com agência EFE)

Publicidade