Clique e assine com até 92% de desconto

Papa rejeita doação em dinheiro de Macri que continha número 666

Quantia de 16.666.000 pesos foi oferecida pelo governo argentino a uma instituição de caridade apoiada pelo pontífice

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 21h05 - Publicado em 14 jun 2016, 14h57

O papa Francisco rejeitou uma doação considerável oferecida pelo presidente da Argentina, Mauricio Macri, para uma organização de caridade apoiada pelo sumo pontífice. A razão: o valor incluía o número 666, que para muitos católicos faz referência ao demônio.

No início do mês, o presidente argentino ofertou a quantia de 16.666.000 pesos (equivalente a 4,2 milhões de reais) à Scholas Occurentes, instituição internacional voltada à educação. De acordo com o site especializado Vatican Insider, parte do jornal italiano La Stampa, o papa enviou uma nota para a organização pedindo que recusasse o dinheiro e escreveu: “Não gostei do 666”. No Apocalipse 13, versículo 18, a Bíblia diz: “Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis“.

Macri e Francisco, que foi arcebispo de Buenos Aires, já divergiram em outras ocasiões, especialmente em relação às medidas de austeridade financeira adotadas pelo presidente para controlar a inflação. Segundo o jornal La Nación, o pontífice também não ficou satisfeito com a forma com que a imprensa argentina relatou a oferta, dizendo que a relação entre os dois estava melhorando. Em carta enviada pela Scholas ao governo argentino, a instituição explica que é conveniente devolver o dinheiro porque “há aqueles que estão tentando deturpar este gesto institucional”.

Leia também:

Papa critica a obsessão pelo corpo perfeito

Papa defende vinho: “Não se pode fazer festa com chá”

Relíquia do papa João Paulo II é roubada de catedral na Alemanha

Sobre a quantia aparentemente inadequada, um representante de Macri falou ao La Nación que a “soma foi baseada nos gastos da sede da instituição em Buenos Aires, com base nos salários de 36 funcionários, além de equipamentos e manutenção do prédio”. Além disso, as necessidades teriam sido especificadas pela própria Scholas, e por isso o governo ficou supreso com a devolução.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade