Papa Francisco visita Auschwitz em completo silêncio

Terceiro pontífice a visitar o campo de concentração, Francisco optou por não se pronunciar durante a visita

Por Da redação - 29 jul 2016, 08h45

O papa Francisco visitou nesta sexta-feira, pela primeira vez, o campo de concentração nazista de Auschwitz, na Polônia. Na saída, o pontífice assinou o livro de Honra do local, pedindo que “o Senhor tenha piedade de seu povo”. “Senhor, perdão por tanta crueldade”, escreveu.

Duas linhas, escritas em espanhol, com a assinatura Francisco, foram as únicas palavras do papa sobre as sensações de sua visita ao local onde foram assassinadas 1,1 milhão de pessoas, já que decidiu que não pronunciaria nenhum discurso. Após visitar o museu e o memorial às vítimas, o pontífice se sentou sozinho em um banco, onde rezou em silêncio por alguns minutos.

Leia também:
Papa Francisco cai durante missa na Polônia
Papa diz que atentados mostram que mundo está em guerra
Papa diz que cristãos deveriam pedir desculpas aos homossexuais

Francisco falou apenas no momento em que conheceu um grupo de sobreviventes de Auschwitz, além de algumas pessoas chamadas “justos das nações”, conhecidas por terem ajudado a salvar vidas de judeus durante a ocupação nazista na Polônia. Em seguida, em um os momentos mais marcantes da visita, o pontífice visitou a cela subterrânea onde morreu o sacerdote polonês Maximiliano Kolbe, que se ofereceu para tomar o lugar de um prisioneiro que seria assassinado.

(Com EFE)

Publicidade