Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Papa cobra ‘ação imediata’ para salvar o planeta do aquecimento global

Na encíclica 'Laudato Si - Cuidados de Nosso Lar Comum', Francisco marca uma postura incisiva da Igreja contra o aquecimento global e pede por mudanças do estilo de vida

Por Da Redação 18 jun 2015, 07h50

O papa Francisco cobrou nesta quinta-feira ações imediatas para salvar o planeta da ruína ambiental, fazendo um apelo aos líderes mundiais para ouvirem “o grito da terra e o grito dos pobres” e colocando a Igreja Católica no meio das controvérsias políticas sobre as mudanças climáticas. No primeiro documento papal dedicado ao meio ambiente, o Francisco pede por uma “ação decisiva, aqui e agora” para deter a degradação ambiental e o aquecimento global, diretamente apoiando cientistas que dizem ser provocado principalmente pela ação humana. Na encíclica “Laudato Si [Seja Louvado] – Cuidados de Nosso Lar Comum”, Francisco pede por uma mudança do estilo de vida nos países ricos de uma cultura de consumo “descartável” e o fim de “atitudes obstrucionistas” que às vezes colocam o lucro acima do bem comum.

Como Francisco disse que quer influenciar a cúpula climática da Organização das Nações Unidas (ONU), que acontece em Paris em dezembro, a encíclica consolida ainda mais seu papel como figura diplomática global, na esteira de sua mediação da reaproximação entre Cuba e os EUA no final do ano passado. A maioria das encíclicas é dirigida aos católicos, mas Francisco repetiu nesta quinta-feira que deseja alcançar um público mais amplo. “Este nosso lar está sendo arruinado, e isso prejudica a todos, especialmente os pobres”, escreveu ele na encíclica. “O meu apelo é por responsabilidade, peço a todos que recebam este documento de espírito aberto”, completa.

Leia também

Vaza rascunho de encíclica em que papa alerta para destruição do ecossistema

Papa terá primeiro encontro público com um ativista gay

Pela 1ª vez, Vaticano vai julgar um padre por abusos sexuais

Nas 192 páginas do documento, o papa é incisivo em suas críticas contra a ação do homem na mudança climática, o que lhe rendeu a ira dos conservadores céticos, incluindo dois pré-candidatos republicanos à Presidência dos Estados Unidos. Jeb Bush, católico, disse: “Minha política ambiental e econômica não vem dos meus bispos, de meus cardeais ou de meu papa”. Apesar das críticas, a postura que o papa cobra dos católicos em relação à mudança climática está sendo bem acolhida em diferentes setores da sociedade.

O documento está sendo considerado pelos vaticanistas como é o mais controverso desde que a encíclica “Humanae Vitae” (Da Vida Humana), publicado pelo papa Paulo VI em 1968, ratificando a proibição dos métodos contraceptivos na Igreja.

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade