Clique e assine a partir de 9,90/mês

Países do Golfo pedem intervenção imediata na Síria

Bahrein, Kuwait, Omã, Emirados Árabes Unidos, Catar e Arábia Saudita afirmam que querem libertar o povo da tirania do governo

Por Da Redação - 7 set 2013, 12h06

O Conselho de Cooperação do Golfo (CCG), formado por Bahrein, Kuwait, Omã, Emirados Árabes Unidos, Catar e Arábia Saudita, pediu neste sábado à comunidade internacional uma intervenção imediata na Síria para libertar o povo da tirania do governo.

LEIA TAMBÉM:

LEIA TAMBÉM: Alemanha endossa documento que pede “reação firme” à crise síria

Mensagens interceptadas indicam que Irã planeja retaliar ataque à Síria

Continua após a publicidade

Onze países do G20 apoiam reação firme à crise síria

“O genocídio e as graves violações dos direitos humanos contra o povo sírio exigem uma intervenção imediata da comunidade internacional”, afirmou o secretário-geral do CCG, Abdellatif al-Zayani. A intervenção deveria ter como objetivo “libertar o povo irmão da Síria da tirania de seu regime e acabar com seu sofrimento”, completou, em comunicado.

“O regime sírio é completamente responsável pelo que acontece na Síria, por ter rejeitado todas as tentativas de solucionar a crise e seguir matando e destruindo, e ter usado armas químicas”, afirma Zayani, que diz ainda que os países do Golfo apoiam as medidas destinadas a “dissuadir o regime sírio de cometer atos desumanos”.

O pedido do CCG foi divulgado no momento em que o presidente americano Barack Obama espera um votação no Congresso a favor de uma intervenção militar contra o regime sírio, o qual acusa de ter utilizado armas químicas em 21 de agosto perto de Damasco.

Continua após a publicidade

(Com agência EFE)

Publicidade