Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Opositor de Putin se recusa a cumprir termos de prisão domiciliar

Alexei Navalny, que liderou protestos contra o autocrata russo, publicou foto de pulseira eletrônica rompida

O opositor do Kremlin Alexei Navalny afirmou ter quebrado sua pulseira eletrônica em protesto contra sua prisão domiciliar. Ele publicou em seu blog nesta segunda-feira uma foto do aparelho que monitora seus movimentos, agora rompido, dizendo rejeitar sua “detenção ilegal”.

O empresário e blogueiro que liderou protestos contra Vladimir Putin três anos atrás está em prisão domiciliar desde fevereiro. No dia 30 de dezembro, ele foi considerado culpado por desvio de fundos em um julgamento com fortes conotações políticas, como ressaltaram entidades civis, que protestaram em Moscou. Sua sentença de três anos e meio de prisão foi suspensa na mesma decisão. Seu irmão, Oleg Navalny, também foi condenado e deverá permanecer na prisão por três anos e meio.

Leia também:

Justiça russa condena os principais opositores de Putin

Putin convida Kim-Jong-un para visitá-lo na Rússia

Ele disse que deveria ter sido libertado depois de sentenciado no fim de dezembro, mas em vez disso continuou detido, à espera da publicação do veredicto em 15 de janeiro. “É estúpido me gabar, mas eu sou a primeira pessoa na história dos tribunais russos a ser mantido em prisão domiciliar depois do veredicto”, escreveu Alexei em seu blog. “Eu me recuso a seguir as exigências de minha detenção domiciliar ilegal. A pulseira eletrônica, com algum esforço, foi cortada com tesouras de cozinha”, afirmou.

Com 38 anos, Alexei Navalny é considerado o principal opositor de Putin, embora sua influência seja limitada em um país no qual os meios de comunicação independentes e os partidos da oposição foram reduzidos à mínima expressão nos últimos anos. Navalny, um blogueiro com ares nacionalistas e crítico da corrupção das elites russas, é acusado de ser apoiado pelo Ocidente.

Navalny liderou manifestações que levaram milhares de pessoas para as ruas de Moscou e outras cidades russas no final de 2011 e começo de 2012 em protesto contra a corrupção e contra fraudes nas eleições.

(Com agência Reuters)