Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

ONU: governo da Síria foi responsável por ataque com gás sarin

O ataque químico matou 80 pessoas em abril deste ano

Por Da redação 26 out 2017, 20h56

Um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU), divulgado nesta quinta-feira, determinou que o governo do presidente sírio Bashar Assad foi o responsável pelo ataque com gás sarin na Síria em abril.

“O painel está certo de que a República Árabe da Síria é responsável pelo lançamento de sarin em Khan Sheikhun em 4 de abril de 2017”, diz o documento. O ataque químico matou 80 pessoas neste povoado, situado na província de Idleb, no nordeste da Síria.

As imagens de horror, divulgadas após o ataque, causaram indignação na comunidade internacional e impulsionaram os Estados Unidos a lançar mísseis contra uma base de onde acreditam que foi lançado o ataque.

Continua após a publicidade

No mês passado investigadores de crimes de guerra da ONU já haviam dito que tinham evidências de que a força aérea síria estava atrás do ataque mortal com sarin, apesar de Damasco negar reiteradamente sua responsabilidade. Contudo, somente nesta quinta a organização culpou oficialmente o regime de Bashar Assad pela atrocidade.

A Rússia, aliada da Síria, sustenta que o ataque com sarin foi causado principalmente por uma bomba desativada instalada no solo, e não produto de um ataque aéreo do exército.

‘Não existe lugar para Assad’

O secretário de Estado americano, Rex Tillerson, afirmou nesta quinta-feira que o presidente Bashar Assad e sua família não possuem papel no futuro da Síria. “Os Estados Unidos querem uma Síria completa e unificada sem nenhum papel para Bashar Assad no governo”, disse a repórteres em Genebra, ao final de uma viagem de uma semana por Arábia Saudita, Catar, Paquistão e Índia.

Tillerson afirmou que o governo Trump apoia as conversas de paz como a única maneira de acabar com a guerra de mais de seis anos e seguir para uma transição política e eleições. Ele falava após conversas com o enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, que anunciou que as negociações paralisadas entre o governo sírio e a oposição serão retomadas em Genebra em 28 de novembro.

“O domínio da família Assad está chegando a um fim. A única questão é como isto deveria ser feito”, disse. No início do mandato de Trump, o governo americano sustentava a posição de que era possível começar o processo de transição de governo na Síria ainda com Assad no poder.

(Com AFP e Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)