Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Obama volta a prometer justiça por morte de embaixador

Diplomata morreu durante onda de revoltas no mundo islâmico contra um vídeo

Em um discurso que foi aplaudido várias vezes, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, voltou a afirmar nesta terça-feira, durante a 67° Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, que seu país vai fazer justiça àqueles que assassinaram o embaixador americano em Bengasi, Cristopher Stevens.

“Os ataques contra nossos civis em Bengasi foram ataques contra os Estados Unidos. Não deve existir dúvida de que perseguiremos sem descanso os assassinos e os levaremos à justiça”, disse Obama. Ele destacou que o diplomata “trabalhou na instauração da democracia no país” e que “foi morto na cidade que ajudou a salvar”, em referência a Bengasi. Stevens estava na Líbia no começo do levante contra o ditador Muamar Kadafi, em 2011, e foi escolhido como embaixador no país em março deste ano.

O presidente americano classificou o vídeo que serviu de estopim para a revolta de “repugnante”, mas sublinhou que os ataques no mundo islâmico são injustificáveis. “Não há palavras que justifiquem a morte de inocentes, a morte de diplomatas, queimar um restaurante no Líbano”, disse. “O futuro não pode pertencer àqueles que têm como alvo os cristãos coptas do Egito, e sim àqueles que digam: muçulmanos e cristãos, nós somos um”. “Queimar uma bandeira americana não educa uma criança”, afirmou ainda o presidente, em referência aos protestos contra os EUA que tomaram o Oriente Médio e o norte da África.

Leia também:

Embaixador dos EUA morto na Líbia era alvo da Al Qaeda

vídeo produzido nos Estados Unidos

Irã – Sobre o controverso programa nuclear iraniano, Obama disse que “os Estados Unidos querem resolver este problema por meio da diplomacia e acreditamos que ainda há tempo”, mas enfatizou que “este tempo não é ilimitado”. Ele ainda destacou que seu país vai fazer o possível para que Teerã não desenvolva uma arma atômica.

A questão nuclear iraniana vem causando uma tensão entre o governo americano e o israelense. Enquanto Washington acredita que ainda há tempo para que o Irã modifique sua atitude, Israel considera o programa nuclear iraniano como uma ameaça e seu primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, insiste que as sanções internacionais impostas ao país não estão funcionando. O premiê já deu a entender que seu país poderia atacar as instalações nucleares do Irã como forma de defesa, mesmo sem o apoio de Obama. O americano ainda criticou países que ficam fazendo ameaças mútuas, sem citar Israel e Irã.

Saiba mais:

Ahmadinejad diz não acreditar em ataque israelense

ONU critica declarações de Ahmadinejad sobre Israel

regime de Bashar Assad